Fabiano Maisonnave
*Fabiano Maisonnave

Até o último domingo (11), 27% dos 15 milhões de hectares do Pantanal foram consumidos pelo fogo.

Depois de meses de estiagem e em meio ao maior incêndio de sua história, o Pantanal registrou chuvas significativas nesta quinta-feira (15). Na avaliação do Ibama, porém, a quantidade ainda é insuficiente para debelar todos os focos.

A Serra do Amolar, no município de Corumbá (MS), foi uma das regiões que registraram chuva. Um vídeo obtido pela Folha mostra brigadistas indígenas do povo terena e moradores da região comemorando o fim da estiagem.

“É uma garoa. Não é de falar que vai apagar o fogo, não sei se vai durar hoje ou amanhã”, diz a moradora Edilaine Arruda, 25, autora do vídeo e responsável pela logística das brigadas na base da ONG Ecoa (Ecologia e Ação). “Fazia tanto tempo que não chovia que nem me lembro.”

Considerada a área mais preservada do Pantanal, nas últimas semanas o Amolar registrou alguns dos focos mais críticos. Na terça-feira (13), fortes ventos misturados à fuligem provocaram uma espécie de tempestade de areia.

Pantanal do Mato Grosso do Sul em chamas

Corpo de um macaco bugio carbonizado por um incendio florestal que atingiu a fazenda Santa Tereza na região da Serra do Amolar, no Pantanal do Mato Grosso do Sul. Lalo de Almeida/Folhapress

Brigadistas do Piauí, do Prevfogo do Ibama, caminham em meio a poeira por um acero na fazenda Santa Tereza, na região da Serra do Amolar; cerca de 60% da fazenda foi consumida pelo fogo Lalo de Almeida/Folhapress

Ave carbonizada presa no galho de uma árvore na mata que foi devastada por um incêndio florestal na fazenda Santa Tereza na região da Serra do Amolar; o fogo se espalhou tão rápido que nem mesmo animais velozes como antas, macacos e aves conseguiram escapar Lalo de Almeida/Folhapress

Brigadistas do Piauí são transportados até um foco de incêndio na fazenda Santa Tereza, no Pantanal Lalo de Almeida/Folhapress

A moradora conta que, no último dia 5, sua comunidade quase foi atingida pelo fogo. “Foi horrível, desesperador, chegou muito perto das casas. Mas tivemos o apoio da brigada do Prevfogo, com a ajuda dos moradores.”

“Temos relatos de chuva em quase todo o Pantanal. Choveu no Amolar, choveu na cidade de Corumbá, choveu no Parque Nacional do Pantanal. É um volume bom, mas insuficiente para extinguir todos os incêndios”, afirma Alexandre Pereira, do Prevfogo/Ibama em Campo Grande (MS).

“A gente não pode declarar fogo extinto. Os nossos procedimentos demandam alguma vigilância na região, esperando volumes maiores de chuva para começar a pensar na desmobilização das equipes. O Pantanal tem uma quantidade muito grande de matéria orgânica acumulada, e os incêndios subterrâneos ainda persistem. Precisa chover mais para que a água chegue até essa camada”, diz Pereira.

Desde o início do ano até o último domingo (11), 27% dos 15 milhões de hectares do Pantanal foram consumidos pelo fogo, uma área destruída equivalente à do estado do Rio de Janeiro. O cálculo é do Lasa (Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais), da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e foi repassado pelo Ibama.

*Jornalista. Matéria na Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, de 16/10/2020.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui