Fabiano Maisonnave
*Fabiano Maisonnave 

Samir Freire é acusado de utilizar sua pasta para cometer o crime.

O secretário executivo de Inteligência do governo do Amazonas, o delegado da Polícia Civil Samir Freire, foi preso na manhã desta sexta-feira (9) em Manaus, durante operação da Polícia Federal e do MPE (Ministério Público do Amazonas). Ele é acusado de utilizar a estrutura de sua pasta para roubar ouro extraído de garimpos clandestinos.

Batizada de Garimpo Urbano, a operação prendeu outros três policiais civis do Amazonas e cumpriu dez mandados de busca e apreensão em Manaus, no interior do estado e também no Pará.

De acordo com a PF, a quadrilha de Freire monitorava e abordava transportadores de ouro ilegal “mediante uso de estrutura e pessoal da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Sei)”.

Próximo do governador Wilson Lima (PSC), Freire é subordinado ao secretário de Segurança Pública do Amazonas, o coronel da PM Louismar Bonates. Os dois trabalham no mesmo prédio, em Manaus.

Em dois meses, é a segunda operação do (Gaeco) Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, do MPE, contra policiais acusados de achacar criminosos, prática batizada de “arrocho”.

No início de maio, o Gaeco prendeu o tenente-coronel da PM Glaubo Rubens de Alencar, o investigador da Polícia Civil Acrísio Drumond de Carvalho e o ex-PM Wanderlan Fernandes de Oliveira. Eles teriam roubado toneladas de maconha de traficantes e acabaram denunciados por tráfico, roubo e organização criminosa.

Um mês depois, durante uma recente onda de ataques incendiários a ônibus e a prédios públicos em Manaus e em outras cidades do Amazonas, a facção criminosa CV (Comando Vermelho) divulgou um “salve” em que acusa Bonates de usar a estrutura da PM para extorquir droga e dinheiro de narcotraficantes.

Em nota, Bonates afirmou ter determinado à Corregedoria a abertura de um processo “para julgar a permanência dos envolvidos na operação policial do MPE e PF nos quadros do sistema de segurança” e que irá colaborar com as investigações.

A prisão desta sexta-feira é mais um episódio de descontrole policial sob o governo Lima. Sob sua administração, a PM foi acusada de protagonizar três chacinas.

A primeira e mais violenta, no final de 2019, deixou 17 mortos no bairro Crespo, em Manaus, incluindo um adolescente de 14 anos assassinado com tiro no peito.

Na segunda chacina, ocorrida em agosto no rio Abacaxis, perto de Nova Olinda do Norte (AM), foram cinco mortos e três desaparecidos, em suposta reação ao assassinato de dois PMs. Por causa da truculência, a Justiça determinou que o governo federal oferecesse proteção a indígenas e ribeirinhos da região, ameaçados pelos policiais militares.

terceira chacina ocorreu em Tabatinga (AM), entre os dias 12 e 13 de junho deste ano. Familiares e testemunham acusam PMs de terem torturado e executado ao menos seis jovens na cidade, em represália ao assassinato de um sargento.

Imagens aéreas mostram garimpo ilegal na Amazônia

Em sobrevoo realizado em maio de 2020, em Roraima, Greenpeace registrou invasão de garimpeiros na Terra Indígena Yanomami. O desmatamento nas terras indígenas aumentou 64% nos primeiros quatro meses de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019. Por estarem dentro ou circulando por esses territórios, garimpeiros, madeireiros e invasores são potenciais transmissores da Covid-19 para os indígenas. Chico Batata/Greenpeace

O garimpo avança de modo devastador na Terra Indígena Munduruku, impactando o povo, os rios e a floresta, que foi desmatada em mais de 240 hectares apenas entre os meses de janeiro e abril de 2020, um aumento de 57% em relação ao mesmo período do ano anterior. Mais de 70% de todo o garimpo realizado na Amazônia entre janeiro e abril de 2020 ocorreu dentro de áreas protegidas Marcos Amend/Greenpeace

O coronel Bonates já havia sido alvo de investigações da PF antes de se tornar secretário de Segurança Pública. Em 2005, interceptações telefônicas mostraram que ele era próximo a um grupo de extermínio comandado por outro PM, um amigo próximo.

Dez anos, depois, em 2015, quando era secretário de administração penitenciária, a PF descobriu que ele havia negociado com José Roberto Barbosa, o Zé Roberto da Compensa, um dos fundadores da facção FDN (Família do Norte), que chegou a dominar o Amazonas, mas acabou derrotada pelo CV.

Os indícios das investigações foram repassadas pela PF ao Ministério Público do Amazonas, que não formalizou nenhuma acusação contra o atual secretário. Bonates nega todas as acusações.

Folha entrou em contato com o advogado de defesa do delegado Freire, mas ele afirmou que não faria declarações no momento. A reportagem não encontrou representantes legais dos dois policiais e do ex-PM presos em maio

*Jornalista. Matéria na Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, de 09/07/2021.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui