Recebi um cartão-postal de tia Idalina. Está em Paris. Resolveu, depois de muitos anos, rever Paris no outono.

Bem antes de o cartão-postal chegar havia recebido um e-mail de titia. Dizia-me que na primeira vez que esteve na França não precisou de mais de 15 minutos de fila para subir na Torre Eiffel. Agora, é praticamente impossível, me disse. Filas quilométricas.

Informada que a torre piscava em certos horários pegou uma excursão noturna para conferir a novidade. Idalina ficou encantada. Na última piscada, as luzes da torre se apagam. Somente as luzes piscantes ficam acesas. Isso acontece à meia-noite.

Depois do espetáculo titia foi até um quiosque a procura de cartão-postal. Havia estrangeiros vendendo bugigangas diversas. De roupas a miniaturas, menos postais.

-Um absurdo, me explicou titia.

Quem nesse mundo de e-mails e whats app ainda manda postais além de tia Idalina?

Enviar postais a amigos, parentes e pessoas queridas durante uma viagem é uma ótima forma de mostrar afeto e dar às pessoas uma noção de onde você está. Mas quem ainda faz isso?

As pessoas hoje em dia fazem isso pelo facebook, instagram e outras mídias. Há pessoas que nunca viram um postal. O jovem porteiro do meu prédio ficou curioso. Uma carta sem envelope!

Disse a ele que o cartão postal ou simplesmente postal, é uma carta simplificada. Na verdade é um pequeno retângulo de papelão fino, com a intenção de circular pelo Correio sem envelope. Em uma das faces, do lado direito, se coloca nome e endereço do destinatário e o selo. Na outra parte, do lado esquerdo, a mensagem do remetente. No verso do postal há uma bela figura do local onde a pessoa está viajando.

O cartão postal que recebi de tia Idalina era obviamente a Torre Eiffel. O cartão de titia dizia: “Há diversas réplicas da Torre Eiffel pelo mundo. Vi uma em Las Vegas nos Estados Unidos. Também avistei uma em Tóquio no Japão. Ouvi dizer que tem uma em Calcutá na Índia. Nada supera Paris. Paris toujours Paris. Paris sempre Paris. Beijos. Idalina”.

Foi uma alegria receber um postal da França. Tia Idalina dá lucro aos Correios. Manda postal aos amigos e parentes. Envia telegramas de felicitações e pêsames. Posta cartão de Natal todo ano.

Ela já utiliza e-mails. Vamos aguardar quando ela descobrir o facebook e o instagram.

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui