Ao longo de todas as minhas realizações em 78 anos de vida, um dos principais papéis que desempenho com esmero é de ser avô. Ser avó é compreender a beleza do amor que pode crescer dentro de nós a qualquer idade, é um amor sem pressa, suave, maduro e esperançoso. Todos os anos faço questão de lembrá-los que existe um dia para comemorarmos a existência pestes seres tão especiais.

No Brasil e em Portugal comemora-se o dia dos avós no dia 26 de julho por razões religiosas. Neste dia a igreja católica celebra o dia de Sant’ana e São Joaquim, avós maternos de Jesus, os quais foram canonizados pelo papa Paulo VI, mas você não precisa ser católico para tornar este dia importante. Infelizmente, temos acompanhado com preocupação o envelhecimento da população com uma terrível estatística: a solidão e abandono familiar dos idosos.

Em meio ao caos urbano e ao tempo escasso, as famílias têm sido prejudicadas em sua base afetiva. Investimos tempo com nossos afazeres e esquecemos a importância do afeto, diálogo e do relacionamento interpessoal com nossos familiares.

Estudos apontam os benefícios nas relações de netos e avós para o desenvolvimento afetivo das crianças e outras vantagens como a transmissão de conhecimento e habilidades para as futuras gerações.

Assim como tirar um tempo para cuidar da saúde é essencial, investir em um tempo de qualidade com sua família pode liberar sentimentos de prazer e alegria. As boas memórias afetivas, como um almoço no domingo, ouvir histórias de nossos descendentes, um abraço e aconchego dos avós trarão benefícios na saúde mental na vida adulta. Outra oportunidade para os avós que diante da aposentadoria se isolam, é poder participar de forma ativa com os compromissos e lazer dos netos, quando estes não forem obrigados claro.

Sabemos que temos hoje um novo modelo social, envelhecer ganhou mais visibilidade em função da longevidade e muitos “avós” possuem uma vida independente, trabalham, voltam a estudar, viajam e também buscam estar conectados com as novas tecnologias e acompanhar as mudanças constantes deste mundo globalizado. Eu particularmente aproveito todos os momentos que a vida proporciona e acompanho meus netos em suas fases, inclusive estarei presente amanhã em uma festinha da escola dedicada aos avós.

Não importa que tipo de avô ou avó você é, moderno ou conservador, o importante é resgatar os valores de empatia, carinho e respeito pelas pessoas que amamos.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui