A ateroesclerose é um tipo menos comum de doença vascular que afeta principalmente as camadas internas e médias de pequenas artérias (arteríolas) musculares. Essa doença afeta principalmente indivíduos com hipertensão arterial.

A ateroesclerose se desenvolve quando os monócitos (um tipo de leucócito) migram da corrente sanguínea para a parede arterial e transformam as células que acumulam material gorduroso. No decorrer do tempo, ocorre a formação de um espessamento irregular (placa) no revestimento interno da artéria.

Estudos identificaram que certos indivíduos têm maior propensão ao desenvolvimento dessa doença. São aqueles que apresentam os chamados fatores de risco para ateroesclerose, como: tabagismo, alcoolismo, alterações dos lipídios, ou gorduras sanguíneas (colesterol e triglicerídeos) aumentados no sangue. Hipertensão arterial sistólica, diabetes mellitus, obesidade, vida sedentária e estresse emocional acelerado. Idosos, indivíduos do sexo masculino, mulheres pós-menopausa e pessoas com antecedentes familiares de ateroesclerose também têm maior tendência a desenvolver a doença.

A ateroesclerose pode afetar as artérias de órgãos vitais como cérebro, coração e rins. Se ela não for evitada, pode comprometer o funcionamento desses órgãos e até mesmo acelerar a morte precocemente. A ateroesclerose pode causar derrame cerebral com rompimento de vasos cerebrais, infarto agudo do coração, claudicação intermitente, quedas com fraturas de sérias consequências.

Esta moléstia pode ser evitada combatendo-se os fatores de risco, nível de colesterol elevado no sangue, hipertensão arterial, tabagismo, obesidade, sedentarismo, deixar de fumar e beber bebidas alcoólicas, perder peso e começar um programa de exercícios.

Evitar alimentos que produzem aumento de colesterol no sangue (os alimentos de origem animal, carnes e derivados, frutos do mar, leite e derivados, dando preferência em alimentar-se com frutas, legumes, verduras, tubérculos e cereais). A prática de exercícios pode levar à redução de peso, que por sua vez ajuda a diminuir o nível de colesterol no sangue.

Evitar o fumo, pois este diminui a concentração de colesterol bom no sangue (HDL) e aumenta o nível de colesterol que se deposita nas artérias (o LDL), que contrai a parede arterial, diminuindo ainda mais o fluxo sanguíneo na artéria já obstruída pelo próprio colesterol ruim (LDL).

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui