Luiz Felipe Pondé
*Luiz Felipe Pondé

Enquanto os idiotas da pandemia discutem se acreditam ou não na imunização, as farmacêuticas, como sempre, nos salvaram.

“Contra a estupidez, até os deuses lutam em vão”, disse o romântico Friedrich Schiller (1759-1805). Voltaremos já a esta citação, antes uma pequena nota de contexto.

Assim como sabíamos, o Brasil mergulha numa certa “normalização” —as aspas aqui são essenciais— em meio à peste. Com o avanço caótico da vacinação, a situação se torna menos apocalíptica, ainda que não menos catastrófica. A morte continua reclamando sua paga em cadáveres. Mas, o grosso da população não está nem aí pois precisa tocar a vida e pagar as contas, como sempre foi. O Brasil continua sendo um país canalha.

Mensagens políticas estampam camisetas na vacinação contra Covid

Paola Carosella defende o SUS e a ciência em sua camiseta na hora de ser imunizada contra a Covid @paolacarosella no Instagram

Advogada e professora Paula Brasil mandou recado a Arthur Lira em sua camiseta na hora de se vacinar contra a Covid Arquivo pessoal

Para se imunizar, Nina Silva, fundadora do Movimento Black Money, usou uma peça da marca Armária com uma poesia inspirada na vacinação contra o coronavírus @armarialoja no Instagram

Zé Gotinha estampou inúmeras camisetas de vacinação contra a Covid @OBQDC no Twitter

A citação acima abre o capítulo 6, “Psicologia da Incompetência Política”, do novo livro do historiador Niall Ferguson “Doom, The Politics of Catastrophe”, pela Penguin Press, 2021 —a ser publicado no Brasil com o título “Catástrofe” pela Planeta em setembro. Segundo ele, grandes tragédias naturais são também criações humanas. Não há tragédia natural pura. E a incompetência política é um clássico que se repete.

Ferguson é um historiador anti-hegeliano. O que isso quer dizer? G.W.F. Hegel (1770-1831), um dos maiores filósofos da história da filosofia, acreditava que a história tem uma racionalidade que se materializa ao longo do tempo. Isso quer dizer que a história tem um sentido e que podemos compreendê-lo.

Ser anti-hegeliano quer dizer que a história não tem sentido algum, que não está indo para lugar nenhum, que andamos em círculos, que a contingência cega reina ao longo do tempo, e que, portanto, como se diz na Dinamarca “só se pode prever o passado”. E, olhe lá, talvez os russos é que tenham razão, “não se pode prever nem o passado”. Quem vence narra a história.

Mas, dizer que a contingência cega reina ao longo do tempo não significa dizer que esse reino seja um reino absoluto. Fazer história é, justamente, identificar uma certa casuística dos acontecimentos e daí aprender o que é possível aprender. O que, por sua vez, não significa que aprendamos. Vale dizer que o livro não é um livro sobre, apenas, a pandemia atual, apesar de, evidentemente, tratar dela. Trata-se de uma pesquisa sobre catástrofes.

A obra é uma bela peça de análise de como a história mostra o entrelaçamento que une a natureza e o comportamento humano (social e político) em meio as catástrofes. Dito de outra forma: no caso específico de pestes, elas só se espalham graças ao movimento dos homens. Elas pioram ou não, graças ao modo como os homens reagem a ela, individualmente, coletivamente, politicamente e burocraticamente.

Ilustração com duas esferas e várias marcas de palmas de mãos espalhadas pela composição.

Publicada neste domingo, 18 de julho de 2021 – Ricardo Cammarota/Folhapress

A epidemiologia é uma ciência médica com uma face voltada para as biológicas e outra para as humanas. Quando se pensa apenas na face biológica se esquece que o homem habita a sociologia em grande parte, logo, a lida com a epidemia depende de como as sociedades se organizam. O Brasil é uma catástrofe histórica, logo, aqui, a pandemia é pior, como todo mundo já sabia.

A humanidade já teve várias pestes e nunca estamos, de fato, preparados para elas. Logo, não aprendemos muita coisa com os eventos passados.

Um dos pontos altos do livro é quando Ferguson mostra como a burocracia médica dos Estados estava despreparada para lidar com a pandemia. Mas aqueles países mais ricos e mais organizados, é claro, se saem melhor pelas razões de sempre.

Enquanto em Davos em janeiro de 2020, os ricos discutiam o aquecimento global, o coronavírus estava na Europa e se espalhando pelo mundo a jato. E é muito provável que continuemos despreparados para eventos como esses. E os ricos se sairão sempre melhor e os pobres continuarão a morrer do mesmo jeito, enquanto melosos juram amor a solidariedade global.

Vale apontar que Ferguson sabe se colocar muito bem diante das obsessões e do senso comum da intelligentsia mundial: apesar de todo mundo chique xingar Donald Trump e Boris Johnson, foram eles que deram o pontapé inicial para o que, de fato, tende a debelar a pandemia, as vacinas. Enquanto os idiotas da pandemia discutem se “acreditam” ou não nas vacinas, as farmacêuticas, como sempre, é que nos salvaram.

*Filósofo e escritor. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, de 18/07/2021.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui