* João Bosco Seabra da Silva

 

Eu sou um índio, eu sou tupi                                             
Eu sou caboclo, eu sou daqui                                                                                                                                
 
Não tenho loção após o banho                                           
Não tenho loção pra barbear                                                   
Minha mulher não usa enfeite                                     
não usa enfeite pra enfeitiçar                            
 
A nossa dança não tem confete 
O nosso bolo não tem confeito   
não temos cama para amar                                                       
 
O nosso leito é o nosso peito                                                                 
O nosso leito é nosso chão                                                                                          
Nosso cheiro não é loção                                                                                                                                           
Nosso cheiro é fedor de peixe                                                                                                                           
suor de mata, suor-sertão

Eu sou um índio, eu sou tupi. Eu sou caboclo, eu sou daqui                                                                                                    
                         
– Diga adeus pra Tupã, que comigo vem meu Deus
Adeus pra Tupã. Há Deus!
 
Vim doutros lados da terra
com o modo certo de ser –  trago civilização
a chave do seu problema  montada no meu esquema
Não tema, pois nada há pra temer
e siga o que vou dizer:   Vá vestindo este calção, pegue a foice, o terçado
desmate a vegetação
Não coma mais carne crua, não coma mais peixe cru          
acabe o costume besta  de sempre, sempre andar nu
 
Só quem deve andar nua   é índia nova   no barracão do homem do outro lado
que trouxe o progresso e a loção e  tudo o que é injeção
pra curar qualquer mandinga   de quem vai pro pantanal:
anti-tetânica, anti-variólica  e até anti-moral
e em plenas noites de lua, possui nossas marias,
rouba um puro coração com a loção e o progresso
destrói um povo, uma raça
que vai virando fumaça
que vai sumindo no ar
e vai ficando deserto

 

* Poeta itacoatiarense. Poesia classificada no Concurso Nacional Novos Poetas, versão 2013, da Vivara Editora Nacional.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui