Desde fevereiro do presente ano integro os respeitados quadros do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, onde passei a ocupar a cadeira de n°36, sob o patronato de frei José dos Santos Inocentes.

Tive o privilégio, também, de ter como primeiro subscritor de minha admissão no silogeu, secundado por Bernardo Cabral, Armando de Menezes, Francisco Gomes e Abrahim Baze, o inigualável mestre Antônio José Souto Loureiro, um dos mais expressivos, instigantes e completos historiadores de nosso Estado. Há duas semanas, bem a propósito, assisti, encantado, com um grupo de alunos do curso de Engenharia da UFAM, a uma monumental palestra sua sobre a temática Amazônica. E posso dizer, sem medo de errar, que foi a melhor aula que tive sobre a região em toda a minha vida! Tão brilhante que, depois de três horas, todo mundo queria mais. O encontro terminou com uma visita guiada por ele nas dependências da Casa de Bernardo Ramos.

al

Antônio Loureiro é mesmo um gigante. Já publicou dezesseis livros, a saber: Síntese da História do Amazonas, Amazônia 10.000, A Gazeta do Purus, A Grande Crise, O Amazonas na Época Imperial, Tempos de Esperança, Dados para uma história do GOEAM, História da Medicina e das Doenças no Amazonas, Amazonas, O Brasil Acreano, O Toque do Shofar I, História da Navegação no Amazonas, O Toque do Shofar II, Praças de Manaus, a Amazônia e o V Império, O Toque do Shofar III. E possui mais seis obras prontas para publicação. Vive sendo demandado para fazer palestras aqui e no restante do país. É, ainda, membro da Academia Amazonense de Letras, da Academia Amazonense de Medicina e presidente do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, onde tem feito uma gestão austera, firme, e renovadora, conseguindo, ademais, atravessar o momento de crise por que passa o país como o grande José do Egito, previdente e lúcido, para manter a instituição de pé, sem ter que andar com o pires nas mãos.

Em 2017 o Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas completará 100 anos de existência. É a entidade cultural mais antiga do Estado. Homens como Antônio Loureiro sempre a lustraram com trabalho, compromisso e dedicação. Por isto, tenho certeza de que, em nome dos demais consócios e da sociedade amazonense, posso dizer-lhe: “Muito obrigado, Professor. É uma grande honra ser seu contemporâneo”.

Compartilhar
Júlio Antônio Lopes
*Amazonense de Manaus, Advogado, jornalista, escritor e editor. Em âmbito regional é membro da Academia Amazonense de Letras; do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas; da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas - seu atual presidente; da Academia de Letras do Brasil-Am; da Academia de Letras e Culturas da Amazônia; da Associação dos Escritores do Amazonas; e da Associação Brasileira de Poetas e Escritores PanAmazônicos. Idealizador e fundador da Academia de Ciências e Letras Jurídicas do Amazonas - a Casa de Bernardo Cabral. Integra, como membro efetivo, a Academia Brasileira de Ciências Morais e Políticas; a Academia Internacional de Jurisprudência e Direito Comparado; a Confraria Dom Quixote; a Associação Nacional dos Escritores, sendo, ainda, sócio correspondente da Academia Carioca de Letras; e da Academia Cearense de Direito;) e sócio honorário da Academia Paraibana de Letras Jurídicas. Faz parte também do Conselho Consultivo da Academia Brasileira de Direito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui