O antídoto para a antipolítica

IlonaSzabó de Carvalho
*IlonaSzabó de Carvalho

Estruturas partidárias devem ser democratizadas e transparentes.

Não está nos planos da maioria dos velhos caciques políticos passar o bastão, a não ser para membros da própria linhagem ou afilhados parte do mesmo projeto de poder. Escuto com frequência em fóruns de debates políticos homens brancos e de idade avançada, incluindo alguns líderes partidários, dizerem que não há novas lideranças no país e que teremos que nos contentar com o que temos.

Na prática, a história não é bem essa. O Brasil está repleto de novas lideranças competentes e inspiradoras em todos os setores, algumas delas inclusive tentando se acercar da política. Como sabemos, o sistema está fechado e repele sangue novo de qualidade. Os que tomam a decisão de tentar furar esse bloqueio precisam de doses cavalares de coragem e resiliência, e de todo o apoio que pudermos dar.

A verdade é que nossos líderes políticos não foram estratégicos o suficiente. Se esqueceram de dedicar parte da vida pública à formação de novos quadros que pudessem levar adiante o ideário de seus partidos.

Sabemos que a vida pública demanda responsabilidade e imensos sacrifícios em democracias mundo afora. Preparar-se é fundamental. Conheço jovens que foram mobilizados e estrategicamente treinados por seus partidos para assumirem ministérios ou concorrerem a cargos eletivos em países da América do Norte, do Sul e da Europa Ocidental.

E por aqui, ainda hoje os atuais líderes, quero dizer, os donos dos partidos, com raras exceções, controlam e escolhem com mão de ferro quem pode disputar cargos em suas legendas, em especial os majoritários.

Se você não é famoso ou não tem dinheiro, se der muita sorte consegue concorrer a algum cargo proporcional para ajudar a eleger os candidatos prioritários do mesmo dono do partido. Em vez de recompensar novas ideias e promover os que genuinamente querem servir e resolver os problemas da população, a classe política brasileira sofre de nepotismo e clientelismo.

Se você é mulher, os desafios aumentam. Conversei com três pré-candidatas ao Congresso Federal, da Bahia, Paraná e Amazonas. Os relatos são dramáticos. Enfrentam machismo, assédio, ameaças implícitas e explícitas de competidores dentro e fora de seus partidos.

Uma delas me contou sobre a proibição real de entrar em sua cidade natal, curral eleitoral de outro candidato. A outra faz campanha no interior de seu estado com segurança após receber ameaças, e a terceira teve o marido, policial, também ameaçado por causa da pré-campanha.

Estamos em 2018. Temos a obrigação de participar da reinvenção do nosso sistema político. E, honestamente, precisamos promover uma mudança de geração. Devemos sempre reconhecer a contribuição das gerações anteriores, mas está claro que os que estão no poder não serão capazes de solucionar sozinhos os problemas gigantescos que, em boa parte, criaram.

A incapacidade de abrir espaço a novas lideranças políticas no Brasil tem profundas consequências. Um sistema político que não consegue se modernizar sofre colapso e, eventualmente, se desintegra.

Hoje boa parte da classe política está atolada em corrupção e incapaz de posicionar o país no século 21. A reação é sentida nacionalmente com o surgimento da antipolítica no Brasil e a aversão pública ao establishment político.

Estamos vendo o impensável, incluindo pedidos pelo retorno do governo militar. A democratização e transparência das estruturas partidárias é condição para a reforma do sistema. Se isso falhar, a vítima pode ser a própria democracia. Alerta vermelho: ainda podemos virar esse jogo, mas precisamos começar agora.

*Cientista política. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Cotidiano B3, de 06/06/2018.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui