Nestes tempos de isolamento social estamos suscetíveis a incertezas, medos, estresse emocional e outros sentimentos que podem desencadear alguns transtornos mentais como crises de ansiedade, pânico e iniciar quadros depressivos, para alguns podem ser episódios esporádicos, mas para muitos brasileiros é uma realidade que já era enfrentada antes da pandemia do coronavírus. Ansiedade e depressão são transtornos psicoemocionais que podem caminhar juntos, porém têm causas, sintomas e tratamento diferentes.

Dados divulgados em 2019 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) destaca o Brasil como um dos países mais ansiosos do mundo e estima que entre 20% e 25% da população teve, tem ou terá depressão, sendo essa a doença psiquiátrica com maior prevalência no país. Em seguida, aparece a ansiedade, que afeta 9,3% dos brasileiros (cerca de 19,4 milhões).

A depressão é uma doença psiquiátrica crônica, que atinge pessoas de qualquer idade de forma recorrente e afeta o indivíduo emocionalmente, apresentando sintomas de tristeza profunda, desânimo, baixo autoestima e desinteresse total pela vida podendo levar ao suicídio. Já a ansiedade é um mecanismo normal do corpo que estimula a ação com antecedência, porém, em excesso, faz exatamente o contrário, pode paralisar o indivíduo com estímulos criados pela mente como o medo e uma crise de pânico.

Muitas vezes, estas duas patologias podem se manifestar ao mesmo tempo, geralmente iniciam com gatilhos de estresses que evoluem para quadros de ansiedade desenvolvendo a ansiedade patológica que por fim evolui para a depressão.

Infelizmente são doenças ainda menosprezadas o que dificulta um tratamento mais adequado.

Muitas pessoas relutam em buscar ajuda médica, a saúde mental é tão importante quanto a do corpo, se a mente está doente o corpo padece. A principal causa da depressão está relacionada com o desequilíbrio químico do cérebro, principalmente com a diminuição de neurotransmissores como a serotonina e noradrenalina, responsáveis pela sensação de bem-estar emocional, ou seja, é um desarranjo de impulsos nervosos entre as células, caracterizando assim uma doença que precisa de acompanhamento e tratamento médico como qualquer outra.

Vale ressaltar que depressão é diferente de tristeza, a tristeza é um sentimento normal de luto, uma perda significativa que com o tempo é superada. Na depressão a tristeza é apenas um dos sintomas do indivíduo que inicia um estado de adoecimento com duração de mais de duas semanas que podem durar anos, na tristeza há um motivo, na depressão não.

Portanto, neste período de isolamento podemos afastar os sentimentos negativos tomando algumas atitudes que promovem o bem estar emocional, como ler um bom livro, assistir um filmes alegres, utilizar as redes sociais, para interagir com amigos e família, não exceder com conteúdo pessimistas sobre a pandemia, obter informações com fontes seguras, escutar música, dançar, praticar exercícios leves em casa, cozinha, meditar e rezar.

Para aqueles que estão em tratamento nunca abandone medicações sem consultar seu médico, hoje temos disponíveis os atendimentos virtuais de aconselhamento por profissionais da saúde.

Destaco também os serviços de psicologia que estão sendo ofertados pelas universidades de Manaus, peça ajuda sempre. Se cuidem!

Compartilhar
Euler Ribeiro
*Amazonense de Itacoatiara. Médico, MD. PhD em Geriatria e Gerontologia. Ex-secretário de Saúde e ex-deputado federal pelo Estado do Amazonas. Fundador e atual Reitor da Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade. Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui