O espirito na saliva dela
O espirito na saliva dela
*Luiz Felipe Pondé

Por que temos vontade de beijar uma mulher na boca por horas, engolindo a saliva dela?

Afinal, o que querem duas pessoas quando se beijam na boca? Essa questão me vinha à mente quando criança. O que faz com que duas pessoas aparentemente queiram devorar uma à outra num beijo em que as salivas se misturam?

Diretamente ligada a esta questão, uma outra que frequentava minhas indagações filosóficas infantis era: por que os homens chamam mulheres de “gostosas”? Sendo “gostosa” uma expressão usada para comida, por que, afinal, os homens aplicavam às mulheres?

Comecemos por esta (apesar de não ser a questão que me interessa propriamente). Estou longe de achar que a expressão “gostosa” seja errada ou “objetificante da mulher”. Penso justamente o contrário: “gostosa” é um termo perfeito para se aplicar a um certo tipo de mulher, aquelas que nos fazem perder a cabeça.

Na verdade, o debate sobre a objetificação não me interessa. Afora o fato de que mulheres se sentem de fato gostosas quando gozam ou quando arrasam corações e vidas por aí, o termo “gostosa” é, exatamente, o que descreve a sensação que temos quando estamos diante de mulheres que temos vontade de “devorar sexualmente”.

O verbo “devorar” pode, facilmente, ser substituído por “comer” ou “engolir”. Lembro-me bem da primeira vez que entendi o significado de chamar uma mulher de gostosa. E esse entendimento tinha a ver com a vontade de comê-la ou engoli-la. A beleza dela se transmutava em desejo de assimila-la a mim mesmo.

Todos esses verbos, assim como a expressão “gostosa”, nos remetem à ideia de gosto e de alimentação. Mulheres têm gosto e nos alimentam. Para quem as aprecia, esse gosto não é unicamente “físico”.

O gosto de uma mulher é, também, metafísico. Por isso o poder de uma mulher inundar a vida de um homem: ele quer “comer” seu corpo e sua alma. Não é à toa que muitos antropólogos consideram o canibalismo indígena (o real, não o metafórico) um ato sublime e espiritual.

E aí voltamos à minha primeira indagação filosófica infantil: por que temos vontade de beijar uma mulher na boca por horas a fio, engolindo a saliva dela?

Claro que há algo relacionado ao “comer” a mulher desejada neste gesto. Ou “comer” qualquer pessoa desejada, obviamente. Não vou perder tempo aqui com questões periféricas como “gênero”. Mas, haveria algo de metafísico nisso?

O filósofo e místico espanhol e mulçumano Ibn Arabi, nascido em Múrcia, Espanha, em 1165, e morto em Damasco, Síria, em 1240, escreveu uma obra (entre outras) dedicado ao amor (“Tratado do Amor”) em que discorre sobre a natureza de vários tipos de amor, desde o mais natural, ao mais espiritual e místico.

Ibn Arabi é conhecido pelo impacto na tradição islâmica sufi e na mística islâmica como um todo. Um daqueles antídotos para quem pensa que o Islamismo seja uma religião de bárbaros. Aliás, o componente místico do Islã é de uma beleza avassaladora.

Vejamos um trecho específico sobre o beijo escrito pelo místico islâmico espanhol medieval: “Quando dois amantes se beijam intimamente, cada um aspira a saliva do outro, que penetra neles. Quando se beijam e se abraçam, a respiração de um se expande no outro e o hálito assim exalado penetra em ambos ao mesmo tempo”.

Este trecho está na parte do tratado em que ele discorre sobre as relações entre o amor natural e o espiritual.

A ideia de Ibn Arabi é a de que ao engolir a saliva um do outro, ao respirar o hálito que sai da boca do outro e ao desejar de forma ardente esta mistura “promíscua” de elementos corporais íntimos, os dois amantes desejam estabelecer uma identidade única entre eles.

Misturar saliva e hálito representa, na análise poética do místico espanhol, essa partilha de intimidade para além de qualquer abstração vazia.

Quando desejo engolir a saliva de uma mulher ou respirar seu hálito com a minha boca, de forma ardente e apaixonada, estou dizendo a ela que gostaria de ser um com ela. De me fundir com ela. De assimilar a beleza que vejo nela e que me coloca nessa condição de desejar tê-la como parte do meu corpo. Por isso, o espírito em sua saliva me encanta.

*Filósofo e escritor. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada C6, de 05/05/2018.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui