A Academia Amazonense de Letras (AAL) foi fundada em 01 de janeiro de 1918, com a denominação inicial de “Sociedade Amazonense de Homens de Letras”. Fará em 2018, portanto, 100 anos de existência. Trata-se de uma associação civil sem fins lucrativos e duração indeterminada, cujos objetivos principais são o cultivo do idioma português, a valorização da literatura brasileira e a ampla promoção cultural. Ela possui 40 cadeiras, na origem das quais figuram como patronos grandes vulto das letras regionais e nacionais.

Há duas vagas, em razão do falecimento dos acadêmicos Mário Augusto Pinto de Moraes (cadeira de n° 39, patrono Alfredo da Matta) e Moacir Andrade (cadeira n° 2, patrono Euclides da Cunha). E uma delas, a de n°39,  as inscrições já se encerraram  com um recorde de candidaturas, seis no total: o médico cardiologista, membro da Academia Amazonense de Medicina, escritor e articulista Aristóteles Comte de Alencar Filho; a desembargadora Graça Figueiredo, também escritora e ex-presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas; o servidor público e poeta Carlos Almir Ferreira; a magistrada e professora de direito Lúcia Viana; a procuradora do Estado e escritora Sálvia Haddad; e o professor de direito e escritor Antonio Norte Filho.

Pela Academia já passaram e lá estão grandes personalidades  da cultura amazonense de todos os tempos. Há quem diga que faltam alguns nomes. Pode ser, mas o primeiro requisito para que alguém  se torne membro do silogeu, além dos indispensáveis dotes literários, é  a disposição, o desprendimento, a coragem e a grandeza para disputar a vaga, de forma democrática, por meio do voto, com outros eventuais pretendentes, como fizeram seus atuais e valorosos membros.

A saudável concorrência por um espaço em nossa Academia é prova de seu vigor, mesmo chegando ao centenário.  Mais do que isso, revela uma entidade construída em bases sólidas, por vezes conservadora, mas que tem sabido, a passos seguros, renovar seus quadros, rever conceitos e oxigenar suas ideias. Bem a propósito, hoje a Casa Adriano Jorge é presidida, pela primeira vez em sua história, por uma mulher, a professora universitária Rosa Brito.  Sinal também de que a Academia remará, mais ainda, no mesmo rumo da sociedade aberta, interconectada, transparente e participativa em que se encontra inserida.

Compartilhar
Júlio Antônio Lopes
*Amazonense de Manaus, Advogado, jornalista, escritor e editor. Em âmbito regional é membro da Academia Amazonense de Letras; do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas; da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas - seu atual presidente; da Academia de Letras do Brasil-Am; da Academia de Letras e Culturas da Amazônia; da Associação dos Escritores do Amazonas; e da Associação Brasileira de Poetas e Escritores PanAmazônicos. Idealizador e fundador da Academia de Ciências e Letras Jurídicas do Amazonas - a Casa de Bernardo Cabral. Integra, como membro efetivo, a Academia Brasileira de Ciências Morais e Políticas; a Academia Internacional de Jurisprudência e Direito Comparado; a Confraria Dom Quixote; a Associação Nacional dos Escritores, sendo, ainda, sócio correspondente da Academia Carioca de Letras; e da Academia Cearense de Direito;) e sócio honorário da Academia Paraibana de Letras Jurídicas. Faz parte também do Conselho Consultivo da Academia Brasileira de Direito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui