A saracura é pássaro da chuva,

por isso vive sempre onde tem agua,

ela tricota o canto e dança o mote

três vezes desenhado sobre a pauta.

 

Seu ninho está no chão, nos labirintos

dos igapós, onde desata o treno

do rosário da reza pela chuva.

 

Armada com o bico agudo e verde,

talo de mato vivo que floresce

nas asas e nas hastes dos seus pés,

voa rasante e não existe, quase.

 

O menino aprendeu que a saracura

sempre cantou a paz de um pote d’água,

jamais se tornará ave de agouro

pousada no jirau, dentro de casa.

Compartilhar
Elson Farias
*Poeta e ensaísta. Ex-presidente da União Brasileira de Escritores do Amazonas e da Academia Amazonense de Letras. Nascido em Itacoatiara é uma das glórias dessa cidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui