(Em homenagem aos missionários e missionárias canadenses com quem trabalhei em Itacoatiara).

Como não amar-te, linda cidade

de povo hospitaleiro, educado e sereno?

Como não amar-te assim,

recoberta de neve tantos meses ao ano,

mas transbordante de calor humano?

 

Montréal régia, real, de realeza cristã,

que acolhes hispânicos,  africanos, tantos outros

tangidos pelos imperialismos

e os encorajas, ajudas a lutar…

 

Mont-ráal, a tua luz vem de um monte real

ao qual o colonizador, hà quatrocentos anos,

ascendeu com fadiga

para ali implantar uma Cruz.

Cruz que hoje não é a dolorosa imagem

do explorador francês e do índio explorado,

mas é uma cruz que inspira vigor, libertação !

 

As árvores do “maple” estrelado-

– símbolo do Canadá- tremulam em tua bandeira

e sussurram nos bosques, parecendo saudar

a árvore da cruz de Montréal.

Cruz que não brilha só para os turistas

mas que, com sua força,

consegue reunir as duas línguas: o  francês e o inglês

e, apesar dos conflitos, – a alma canadense.

 

Foi o que eu vi na cruz de Montréal- a cruz de Cristo

de Alguém que desejou gravar num povo, eternamente,

Seu anseio de amor,

de paz e de justiça.

Compartilhar
Marília Menezes
*Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui