O artista Faustiniano Fonseca desenvolveu sua arte, especialmente no violino, porém, escolheu a arte de fotografar para sua sobrevivência.

No dia 17 de maio de 1903, na aldeia de Taboaço, cujo, lugar lhe serviu de berço, chamava-se Granja do Tedo, na Pátria Mãe Portugal, nascia o artista Faustiniano Fonseca, mas, foi no Amazonas que desenvolveu sua arte, compositor, músico por excelência especialmente no violino, pintor de mãos raras, desenhista de marcas profundas, porém, escolheu a arte de fotografar para sua sobrevivência.

Manaus o recebeu aos quatorze anos de idade, juntamente com seus pais Sipião da Fonseca e Maria da Conceição da Fonseca e com seu irmão, aqui cresceu e passou sua juventude, mas, logo seu coração falou mais auto, seus olhos voltaram-se para a jovem Julieta Carvalho Fonseca, uniram-se em matrimônio, fruto deste casamento trouxeram ao mundo sete filhos. Homem de forte personalidade, cuja, vida foi marcada de integridade e caráter, sua formação religiosa cobrava-lhe a tendência da caridade, costumava formar seus pensamentos para a família de que o homem que não nasceu para servir, não serviria para viver. O apogeu e à glória sempre lhe soprara bons ventos, porém, estava preparado espiritualmente para enfrentar a vida.

Buscou através do trabalho honesto o sustento da família, inclusive à noite quando exercia a função de músico para complementar sua renda. Os anos foram avançando e chegou a aposentadoria merecedora. Mas, é neste momento que a figura de outro grande homem o Comendador José Cruz, lhe convidou para colaborar com a Beneficente Portuguesa, como Administrador Geral, novamente o talentoso Faustiniano Fonseca, que era sócio benemérito da Instituição se entregou de corpo e alma ao Hospital, dedicando-se também ao Luso Sporting Club. O Comendador e empresário José Cruz presidiu a Beneficente Portuguesa por mais de três décadas.

Dr. Avelino Pereira, Comendador José Cruz e Dr. Moura Tapajós – Foto: Divulgação

A Beneficente Portuguesa e, principalmente o Luso Sporting Club, são herdeiros de seus belos trabalhos em crayon, marca registrada com orgulho para todos, família e amigos da sua inteligência talento e dedicação à arte.

As paredes silenciosas do Luso Sporting Club, recebe o coração lactente o quandro de crayon produzido por ele. É como se sua alma ali estivesse a render seu amor pela causa portuguesa.

Marca de forma eloquentes suas palavras, compondo músicas para o roteiro das pastorinhas, quem não lembra?

Foto: Divulgação

Descrever o conteúdo, o caráter deste português e, principalmente imortalizar suas obras em crayon, o velho artista encontrou-se com Deus aos 79 anos, em um leito da Beneficente Portuguesa, em 22 de setembro de 1982. Desta forma, engrandece a figura do nobre português na História do Amazonas e Portugal, cuja, contribuição artística que Portugal teve a felicidade de ver nascer e o Amazonas o recebeu até a guarda dos seus restos mortais.

Faustiniano Fonseca sempre será lembrando na colônia Luso Brasileira do Amazonas. Morre o homem, porém, fica a memória a contribuir de forma brilhante com registros memoráveis de outrora. Faustiniano Fonseca é e será sempre um exemplo, que orgulha o Amazonas e enobrece Portugal.

Beneficente Portuguesa – Foto: Divulgação

Compartilhar
Abrahim Baze
*Amazonense de Manaus. Graduado em História pelo Centro Universitário do Norte e pós-graduado em Ensino à Distância pelo Centro Universitário UNISEB-COC, de Ribeirão Preto/SP. Recebeu o título de Notório Saber em História, pelo CIESA, de Manaus/AM. Fundador e organizador dos museus da Sociedade Beneficente Portuguesa do Amazonas, Luso Sporting Clube, Rede Amazônica, Memorial e Biblioteca Senador Bernardo Cabral, Centro Cultural Luso Brasileiro do Amazonas, Centro Universitário Luterano de Manaus, Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos e do Atlético Rio Negro Clube. Diretor do Instituto Cultural da Fundação Rede Amazônica e apresentador dos Programas de TV: Literatura em Foco e Documentos da Amazônia. Autor de mais de 65 títulos sobra História da Amazônia. Membro da Academia Amazonense de Letras, Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, Academia de História do Amazonas, Academia de Medicina do Amazonas, Academia Maçônica de Letras do Amazonas, Associação Nacional de Escritores (Brasília), Associação dos Escritores do Amazonas e Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui