*Elio Gaspari 

O golpe se tornou hoje uma espoleta disparadora de radicalismos.

Hoje, há 55 anos, um general em fim de carreira rebelou-se em Juiz de Fora (MG), onde comandava mesas. Em pouco mais 24 horas o governo constitucional do presidente João Goulart estava no chão. Em 1944 ninguém discutia o golpe militar de 1889, e em 1985 não se discutiu a deposição do presidente Washington Luiz. Em 2019 discute-se 1964 porque ele virou um par de unhas encravadas nos pés da direita e da esquerda, uma espoleta disparadora de radicalismos. Na sua versão recente, Jair Bolsonaro (PSL) falou em “comemorar” a data. Depois corrigiu-se, com um “rememorar”.

Bolsonaro tem uma visão pessoal da história. Ele disse que “não foi uma maravilha regime nenhum. E onde você viu uma ditadura entregar pra oposição de forma pacífica o governo? Só no Brasil. Então, não houve ditadura.”

Nesse caso, também não houve ditaduras no Chile e na Espanha. De certa maneira, não teria havido ditadura nem na União Soviética.

Quem era quem no golpe: nove figuras decisivas em 1964

João Goulart: diante do avanço dos militares a partir de 31.mar, Jango praticamente não ofereceu resistência. No 1º.abr, o presidente viajou do Rio para Brasilia e depois para porto Alegre. Exilou-se no Uruguai no dia 4 /Palácio do Planalto/Divulgação

Castello Branco: articulador da queda de Jango, o então chefe do Estado-Maior do Exército foi eleito presidente pelo Congresso em 11.abr.64, tomando posse em 15.abr (na foto). Governou até mar.67 /Acervo UH/Folhapress

Carlos Lacerda: filiado a UDN, maior partido conservador, o governador da Guanabara se destacou como um dos principais articuladores civis do golpe / Memorial da Democracia / Divulgação

A deposição de Jango em 1964 foi um golpe que desembocou numa ditadura constrangida que escancarou-se em 1968. Goulart foi apeado por uma revolta militar vitoriosa e pelo presidente do Congresso, que declarou a vacância do cargo enquanto seu titular estava no Brasil. A posse do presidente da Câmara, no meio da madrugada de 3 de abril, foi enfeitada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, mas não tinha amparo na lei. (Dilma Rousseff foi deposta de acordo com o devido processo legal.)

A deposição de Jango foi pedida e saudada por quase toda a grande imprensa e por multidões que foram à rua festejando-a. Havia mais povo na Marcha da Família realizada em São Paulo no dia 19 de março do que no comício janguista do dia 13.

Se Jango foi deposto para que fosse preservado o regime democrático, esse sonho durou uma semana e se acabou quando os chefes militares baixaram um Ato Institucional que cassou mandatos, suspendeu direitos políticos e demitiu juízes, generais e servidores civis.

A ditadura foi desafiada por um surto terrorista e reagiu instituindo a tortura e a execução de dissidentes como política de Estado. A isso Bolsonaro chama de “probleminhas” e o general Hamilton Mourão, de “guerra”.

A ditadura brasileira está mal digerida porque de um lado alimentam-se teorias como a dos “probleminhas” e a da “guerra”. De outro, chamam-se ações terroristas de “luta contra a ditadura”, quando o objetivo de algo como mil militantes de organizações de esquerda era a implantação da ditadura deles.

Aqui vão dois casos ilustrativos dessas duas fantasias:

Em 1968, o Comando de Libertação Nacional (o Colina, com cerca de 50 militantes) localizou no Rio o capitão boliviano que um ano antes participara da captura do Che Guevara na Bolívia. Ele morava na Gávea. Em julho, cinco meses antes da edição do AI-5, numa ação que envolveu três terroristas, mataram-no a tiros.

Em seu manifesto de criação o Colina dizia que “a luta armada é a única forma de dar consequência à luta do povo brasileiro” e “o terrorismo, como execução (nas cidades e nos campos) de esbirros da reação, deverá obedecer a um rígido critério político”.

O “capitão boliviano” era o major alemão Otto von Westernhagen, e o Colina fez de conta que nada teve a ver com o crime.

(Aos 21 anos, Dilma Rousseff militava no Colina. Não há registro de que tenha participado pessoalmente de ações terroristas.)

Quatro anos depois do assassinato de Westernhagen, o Exército descobriu um projeto guerrilheiro do Partido Comunista do Brasil na floresta do Araguaia (PA). No Natal de 1973, o grupo foi desbaratado, e nos meses seguintes o que seria uma guerrilha transformou-se numa caça a fugitivos que se escondiam no mato. Podiam ser uns 30. Foram todos executados, inclusive aqueles que se renderam, atendendo a oferecimentos da tropa. Cilon da Cunha Brum, o “Simão”, ficou mais de um mês detido antes de ser morto. Isso não é guerra.

Crimes da ditadura

 

O embaixador norte-americano no Brasil, Charles Burke Elbrick, sequestrado em 1969/Folhapress

Corpo de Henning Albert Boilesen, empresário dinamarquês naturalizado brasileiro, morto por extremistas de esquerda no dia 15 de abril de 1971, no bairro dos Jardins, em São Paulo (SP) /Divulgação

Telma Regina Cordeiro Correa, a “Lia”, escondeu-se na mata durante dez meses. Era uma ex-estudante de geografia, expulsa da Universidade Federal Fluminense, tinha 27 anos e estava no Araguaia desde 1971. Ela foi vista por um camponês debaixo de uma árvore, depauperada e faminta. O jornalista Hugo Studart conta em seu livro “Borboletas e Lobisomens” que “Lia” tinha consigo um diário, cujas últimas anotações foram “estou nas últimas” e “não aguento mais”.

Avisada, uma tropa veio buscá-la. Studart acrescenta:

“‘Lia’ foi levantada do chão pelos militares. (…) Foi tratada na base militar de Xambioá. O suficiente para conseguir falar. (…) O soldado Raimundo Melo revelou que ajudou a colocar ‘Lia’ no helicóptero que a levaria a algum ponto da mata para execução”.

Isso é guerra?

Enquanto se falar em “luta armada contra a ditadura” e em “guerra”, 1964 continuará sendo unha encravada, uma em cada pé.

Fila do Anhangabaú

Sempre que um ministro fala em queda do desemprego ou em fim da recessão, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) confere visualmente a veracidade da informação.

Há anos, a fila de pessoas que estão em busca de emprego nos postos do Vale do Anhangabaú forma-se debaixo da janela do seu escritório.

Na semana passada ela tinha 15 mil pessoas.

Multidão enfrenta fila no Anhangabaú em busca de emprego

Trabalhadores se aglomeram embaixo do viaduto do Chá para tentar pegar senha. Danilo Verpa/Danilo Verpa

Trabalhadores formaram fila quilométrica para disputar uma das 6.000 vagas do mutirão de emprego. Danilo Verpa/Danilo Verpa

Não dá embrulho

A sabedoria mineira oferece uma boa visão do governo Jair Bolsonaro:

O freguês entra num armazém e pede seis bananas, uma lata de óleo, uma gaiola e uma vassoura.

A dona da loja diz que não poder vender.

Por quê?

“Porque não dá embrulho.”

Joaquim Campelo

Na faxina da folha de pagamento do Senado, seu presidente, Davi Alcolumbre (DEM-AP), arrisca-se a detonar sua editora, uma das joias da Casa. O doutor demitiu Joaquim Campelo, corpo e alma da Livraria do Senado.

Graças a ela foram editados mais de 200 títulos da história do Brasil, coisa finíssima e barata. Na rede, a Livraria do Senado oferece uma centena de versões eletrônicas gratuitas. Entre elas, por exemplo, “Advento da Ditadura Militar no Brasil”, do visconde de Ouro Preto, o último primeiro-ministro do Império.

Devem-se a Campelo muitas outras iniciativas, entre as quais a de ter sido o braço direito de Aurélio Buarque de Holanda na organização de seu monumental dicionário.

Campelo é um velho e bom amigo de José Sarney (MDB), e ambos se orgulham disso, com justos motivos.

Carro-forte

Quem entende de banco garante que se alguém tentou depositar R$ 20 milhões em dinheiro vivo na conta do coronel Lima, de duas, uma:

O entendimento foi verbal com algum gerente ou diretor de banco. Nesse caso, basta que o Ministério Público resgate a identidade do magano. (Se essa identidade não pode ser resgatada, surge a possibilidade de que tenha havido um trote, ou até mesmo armação.)

Se os R$ 20 milhões moveram-se, não foi em mala, mas em carro-forte, e disso deve haver registro.

Humor de Bolsonaro

Se Jair Bolsonaro for de novo ao cinema, para ver “Dumbo”, certamente terá alguns dias de bom humor.

*Jornalista. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Poder, de 31/03/2019.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui