Uma dor aqui e outra acolá

0
488

Mas na modernidade, o Brasil caminha a passos largos para cada vez mais acumular no estoque da população geral pessoas na faixa etária de 60 anos e mais, com uma concentração nos octogenários.

Num passado recente o envelhecimento era sempre relacionado a doenças, e o ditado popular se referia as dores como um evento constante naqueles que tivessem o privilégio do envelhecimento.

Mas na modernidade, o Brasil caminha a passos largos para cada vez mais acumular no estoque da população geral pessoas na faixa etária de 60 anos e mais, com uma concentração nos octogenários.

Se isto está acontecendo e por motivos óbvios, pois a população que era rural optou depois da industrialização do país pelos grandes centros urbanos; onde o aparelho do Estado estava sempre mais competente para com os pré-requisitos necessários a prevenção, promoção e recuperação da saúde.

Com isto as populações migratórias passaram a se beneficiar e muito. Cada um tomando consciência que o envelhecimento é um processo natural e irreversível, não necessariamente tendo que vir acompanhado de doença e desprazer.

Hoje envelhecer necessariamente e explicitamente condiz com um aprendizado permanente de todo processo. E como deveremos nos conduzir em relação ao : controle do estresse, aos exercícios indispensáveis, ao repouso reparador, a nutrição pertinente com a saúde, aos cuidados especiais com as relações sociais e familiares, com a espiritualidade, com a ocupação permanente da mente e com o humor para não se modificar

Desta forma envelhecer saudável é dever de cada um de nós. Alcançar a idade tardia que é na verdade um grande privilégio, não deverá ser desperdiçado por nenhum de nós!

Assim quem blasfema contra a velhice ainda não tomou a consciência do prêmio, um verdadeiro bilhete de loteria. Pois quem não envelhece é porque morreu cedo!

Hoje o Brasil com certeza absoluta está se inserindo entre os países que conseguiram este milagre da longevidade. O numero de centenários no nosso país já é surpresa entre as nações desenvolvidas, que para conseguirem este patamar levaram duas vezes mais tempo do que nós. Despontamos hoje em dia como um PAÍS JOVEM DE CABELOS BRANCOS!

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui