Transtorno bipolar no idoso

0
5072

O transtorno de humor pode ser unipolar ou bipolar. É uma doença mental que sempre cronifica e se caracteriza pela alternância entre o estado depressivo e a mania que é o tipo I. Quando se caracteriza como hipomania é do tipo II. Um por cento da população ao redor do mundo sofre de transtorno BIPOLAR. Pode aparecer em qualquer idade, mas na idade tardia é sempre muito grave e de difícil tratamento, sempre com risco presente de suicídio.

O sexo feminino sempre predomina com esta patologia, pois as mulheres têm tendência à depressão e à mania. O diagnóstico na maioria das vezes é tardio, pois há uma tendência de tudo começar por um quadro depressivo, o que leva a Medicina na maioria das vezes tratar somente da depressão, esquecendo que poderá vir acompanhada de mania que caracterizaria o fenômeno BIPOLAR. Tratar um destes casos como unipolar é risco para o médico e mais ainda para o paciente, pois os antidepressivos tem pouca ou nenhuma ação nestes casos, e acontece quase sempre o suicídio.

O transtorno BIPOLAR está associado a um maior grau de incapacitação a semelhança de muitas doenças crônicas tais como: osteoartrite, diabetes, asma, infecção por HIV etc.

Temos que prestar atenção aos pródomos da bipolaridade: idade precoce que agrava na idade tardia, episódios de repetição com períodos curtos de recuperação, presença de delírios, pensamento acelerado com conteúdo melancólico, paciente deprimido, que sempre chora, isolado e que não quer conversar. Não cuida da higiene e de um momento para outro entra em quadro de euforia, sorri sem motivação, gasta o que tem e o que não tem, fala palavrão mesmo sendo sempre uma pessoa conservadora, se veste escandalosamente, conta anedotas picantes, muda de comportamento e de humor com uma rapidez incrível.

Mediante a observação destes tipos de comportamento, é aconselhável levar o paciente ao médico imediatamente, pois é possível que o mesmo esteja vivendo uma crise de mania, que é o inverso da depressão. Neste estado o paciente poderá ficar agressivo e cometer desatinos.

Concluindo quero alertar que o diagnóstico precoce continua sendo um desafio ao ser confundido com transtorno unipolar. O tratamento medicamentoso é complexo e muito caro, pois temos que cuidar concomitantemente da mania e da depressão, visando o mínimo de risco de desestabilização da doença. Hoje em dia existe uma droga denominada de quetiapina que trata tanto a mania como a depressão.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui