Soldados da Borracha’ da Amazônia na 2ª Guerra esperam indenizações

0
773
*Lucas Reis

Aos 17 anos, Manuel Viriato ouvia no Ceará as notícias sobre a Segunda Guerra quando se deparou com um cartaz do governo: “Mais borracha para a vitória!”.

Em 1943, juntou-se ao “exército” voluntário de 55 mil nordestinos enviados à Amazônia para extrair borracha para a indústria bélica americana e assim ajudar a derrotar os países do Eixo.

O episódio, ocorrido entre 1942 e 1945, é conhecido como “A Batalha da Borracha”.

Sete décadas depois, os pouco mais de 5.500 “soldados da borracha” sobreviventes sonham em ter o mesmo reconhecimento que os ex-combatentes brasileiros obtiveram após a vitória dos Aliados na Segunda Guerra.

“Pra mim, não houve sucesso algum. Teve sucesso para o país, né? Talvez hoje a gente estivesse sob domínio nazista se não fosse a borracha brasileira”, diz Viriato, que jamais voltou ao Ceará.

Em 1942, os EUA se depararam com um grande problema durante a guerra: maior produtor mundial de borracha, o sudeste asiático estava sob domínio japonês. Os EUA decidiram financiar a reativação dos seringais brasileiros, em decadência desde o final do século 19.

A produção de cerca de 45 mil toneladas de borracha anuais fez parte dos acordos firmados entre os dois países. Para isso, Getúlio Vargas iniciou um “esforço de guerra”.

“Trabalhador nordestino, alista-te hoje mesmo, cumpre o teu dever para com a pátria”, estampava a capa da cartilha divulgada para atrair os trabalhadores. Nas mensagens, o governo equiparava os “soldados da borracha” aos combatentes de guerra.

“A gente pensava que as condições seriam melhores, que teríamos boa assistência. Mas nos jogaram no seringal e nos deixaram lá”, conta Viriato, que atuou em seringais do Acre e de Rondônia, onde reside até hoje, aos 88 anos.

As condições de trabalho dos seringueiros, porém, eram semelhantes às encontradas no final do século 19: semiescravidão. Estima-se que ao menos 30 mil morreram na Amazônia até o fim da guerra, além dos milhares que não resistiram à longa viagem de caminhão e barco.

“Os patrões fizeram da gente o que quiseram, pagavam como quiseram, não havia fiscalização, as condições eram ruins”, diz Viriato.

Sem experiência na mata, os nordestinos eram alvos fáceis para onças, cobras e doenças tropicais, como malária e febre amarela. Os 55 mil nordestinos tiveram o apoio de 10 mil seringueiros que já atuavam na
Amazônia.

Manuel Ferreira de Brito, 88, tinha 17 anos e vivia em Canutama, interior do Amazonas. Mesmo com pouca experiência, ensinou o ofício a centenas de retirantes. “Foi uma dificuldade enorme, a seringa é uma árvore difícil de se trabalhar. Eles foram enganados, pensavam que o serviço era fácil. Os soldados morriam na guerra, eles morriam na selva”, conta Brito.

“Os alto falantes diziam que a vitória do Brasil dependia da borracha e dos trabalhadores da Amazônia. E a gente, rapaz novo, ficava entusiasmado”, conta Viriato.

 

sol1

 

ABANDONO

Vencida a guerra, o governo ignorou os milhares de nordestinos recrutados para a selva. A maioria jamais voltou para sua terra natal.

“Essas pessoas jamais foram desmobilizadas, ninguém deu passagens a eles após a guerra. Foram trazidos e abandonados”, diz Frederico de Oliveira Lima, autor do livro “Soldados da Borracha: das vivências do passado às lutas contemporâneas”.

Os seringueiros contam que os EUA enviaram dinheiro logo após a guerra para indenizá-los. Desde 1988, recebem dois salários mínimos. Os ex-combatentes recebem sete salários, abono, assistência médica e outros benefícios. Montante que nunca chegou aos seringueiros.

Em maio deste ano, o Congresso promulgou uma PEC que garante R$ 25 mil a cada seringueiro e descendentes, a serem pagos em 2015.

O Sindsbor (Sindicatos dos Soldados da Borracha e Seringueiros de Rondônia) pretendia obter R$ 800 mil para cada, e tem duas ações em andamento contra a União: por violação dos direitos humanos e exigindo direitos trabalhistas retroativos.

Os “soldados da borracha” sobreviventes moram principalmente em Rondônia e no Acre. De janeiro a outubro de 2014, 400 morreram. “Faltou consciência humana. Dizem que vão pagar em 2015. Se deixar para dezembro de 2015, mais quantos vão morrer?, questiona Viriato.

*Jornalista. Matéria inserida no Caderno Cotidiano C4,Folha de São Paulo de 05/01/2015.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui