Que verdade é essa?

0
1041
J. R. López*

Hoje eles podem nos prender, Podem até nos matar.

Mas amanhã nós voltaremos, E aí seremos milhões…

Honestino Guimarães.


Muito se tem falado e escrito a respeito da Comissão Nacional da Verdade  criada por decreto presidencial no dia 18 de novembro de 2011 e instalada em 16 de maio de 2012 com 7 membros, nomeados para um mandato de dois anos, com a finalidade de identificar as atrocidades cometidas pelos agentes do Estado e preparar um relatório público para saldar uma dívida com a sociedade democrática brasileira.

Gilney Viana está fazendo palestras em todas as universidades brasileiras, onde, geralmente, encontram-se presentes lideranças, intelectuais e entidades da sociedade civil organizada, cujo alvo é instalar um comitê em cada cidade com o objetivo de investigar em cada Estado as violações dos direitos humanos para passar a limpo nossa história, apurando as ações cometidas entre l946 a 1988, período que inclui as décadas da destruição, que fez nascer em nosso país, a geração do silêncio e, mais, a Comissão da Anistia (1995) e a Comissão de Mortos e Desaparecidos, de 2002.

Em primeiro lugar, os meios de comunicação falam, aqui, em Thomás Meirelles (Parintins), mas somente com o grito do indigenista Egídio Schwade é que veio à tona, o massacre sobre os Waimiri-Atroari, um verdadeiro etnocídio cometido em nome do Estado, em nossa região.

Omissos não são somente aqueles que calam e consentem, mas, também os que deixam, articulam ou permitem o “trem” passar pelos Trilhos da História, sem resgatar a memória brasileira. Ainda não me deram espaço para falar na agremiação sindical a qual sou filiado, pois a pauta que domina a agenda, além de outros temas, são estes dois.

Menino humilde de família numerosa, mas inteligente e corajoso, ele deixa sua terra natal, sob o choro de seus pais e dos irmãos, para estudar na capital e ser alguém na vida. Conhecido pela organização das lutas, logo arranja um emprego e é reconhecido como um líder valoroso, por representar a unificação dos pleitos em congressos brasileiros, sendo eleito presidente de sua entidade sindical no estado de origem.

Pela ação colaborativa de seu mister, e entre seus companheiros, é guindado a tesoureiro, bem representando a Amazônia no cenário nacional de sua categoria profissional, no Rio de Janeiro, sede das manifestações populares contra o regime de exceção. Os estudantes, operários e intelectuais saiam às ruas para dar uma resposta organizada da unidade na luta de todas as classes sociais, contra o poder.

Amigo  pessoal de João Goulart – primeiro presidente com ideias socialistas do Brasil -, residia em num arranha-céu, em Botafogo, onde à noite, após as deliberações de sua classe, deleitava-se com aquela enseada límpida da Cidade Maravilhosa do Cristo, aquele mesmo que está com os braços abertos pedindo paz, o redentor de todas as misérias humanas, inclusive a da inexistência das liberdades democráticas perpetradas pela ditadura.

Morreu há oito dias da instalação do regime de repressão, em nosso país.

Sua morte é considerada misteriosa. As circunstâncias em que o fato ocorreu nunca foram esclarecidas. O regime tenta fazer crer que foi um suicídio e ele tenha se jogado do alto do prédio do Iapetec. Segundo o historiador, escritor e acadêmico Silva, talvez ele tenha sido uma das primeiras vítimas do Golpe de 64.

Recebeu homenagens simples, como é a destinada aos homens de fibra do interior, mas significativas e de alto valor para a preservação da memória da nossa gente as quais estão encravadas em solo brasileiro.

Sua categoria profissional, para lembrar a luta desse operário dos portos, cravou seu nome em prata, numa placa de fundo preto, visível à primeira vista de quem entra na entidade sindical a qual presidiu. A confederação da categoria a qual tanto defendeu, escreveu seu nome na porta da biblioteca no Rio e, Manaus, elegeu sua exemplar história de vida, para dar nome a uma escola estadual.

Todas as vezes que teu nome for pronunciado, teu povo vai responder:

– Presente!

Amanhã quando a população eleger um estadista para administrar o município onde nasceu, sem dúvida, será construído o Panteão da História, em que ocuparás um lugar de destaque.

Antogildo Paschoal Viana, Itacoatiara até hoje chora tua morte.

 

*É Professor Ministrante do componente curricular de História,

no Centro de Mídias. Nasci em Itacoatiara.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui