Pronunciamento abusivo do sr. Gilmar Mendes

0
154

Pronunciamento abusivo do sr. Gilmar Mendes  contra a paciência do povo, revelação repetitiva da conduta arrogante desse servidor da Justiça cujos salários são pagos por nós, e um grande desrespeito ao vigoroso trabalho desenvolvido pelo competente ministro relator Benjamim, que se amparou numa montanha de provas consistentes de abuso de poder político e econômico para decidir pela cassação da chapa dilma-temer.  O ministro  Gilmar, deletério à reconstrução da ética e da probidade na disputa dos cargos eletivos, deturpa o sentido do valor do voto do povo, quando defende que os  mandatos devem ser preservados, embora diante de práticas ilícitas pelos c andidatos. Ou seja, a ilicitude da conduta do candidato na disputa eleitoral deve ser desconsiderada em benefício da valorização do voto do eleitor. Aí temos uma inversão de valores perversa e inaceitável contra as regras da democracia, que só tem assento na cabeça desse ministro de quem não se aproveita nada do fala, sobre direito ou assuntos gerais.

A valorização do voto livre, universal e secreto decorre da aplicação de regras democráticas lícitas no processo eleitoral, no qual os candidatos devem ter as mesmas condições de igualdade na disputa. Se um candidato é favorecido pela prática de atos de poder político e econômico, em detrimento de outro candidato que não usa desses meios, temos nessa hipótese, um atentado à democracia e à soberania do voto. Em verdade, o eleitor não quer desonestidad e no processo eleitoral, porque lhe seria desconfortável sair de casa para votar em candidato que usa de esquemas desonestos para facilitar a sua eleição. O candidato pode ser desonesto mas o eleitor não é. O julgamento do TSE, hoje, foi uma vergonha nacional. Foi  um momento  glorioso para a corrupção que vem destruindo a moralidade que se exige da classe política que temos, com  essas figuras que não respeitam os seus eleitores. Temos um ordenamento jurídico-eleitoral que protege o mandato conquistado de forma  lícita nas urnas, mas há  também regras de punição àqueles que cometem atos incondizentes  com a legalidade e a ética.

Na visão desse ministro nocivo à Justiça, não devem mais ser punidos aqueles políticos que desrespeitam a lei na disputa eleitoral. Em outras palavras, está lib erada a desorganização e o desrespeito à ordem legal de regência da questão eleitoral, no que se refere à lavagem de dinheiro, corrupção, caixa dois, financiamento de campanha de forma ilícita e imoral. Estamos caminhando para implantarmos, concretamente, a república da suruba, que o grande corrupto senador Romero  Jucá  defende que deve ser implantada no Brasil. Tudo isso é muito danoso para o país do presente e do futuro, porque nos injeta uma forte dose de desesperança para passarmos o Brasil realmente a limpo dessa canalhice na política e em parte do judiciário, neste, sob a fúria em favor do mal, dessa figura irresponsável e intolerável chamada Gilmar Mendes.

Compartilhar
Raimundo Silva
*Amazonense de Itacoatiara. Advogado. Desembargador Federal do Trabalho aposentado. Professor de Direito da UFAM aposentado. Mestre em Direito pela UFPE. Foi vereador em dois mandatos, de 2009 a 2016, e nesse período Presidente da Câmara Municipal de Itacoatiara. Escritor e membro da Academia Itacoatiarense de Letras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui