Peixes

0
5272
*Celdo Braga

 

Chega a dar água na boca
quando eu começo a lembrar
de uma boa caldeirada
de branquinha, de cará,
de bodó, acari-pedra,
tucunaré, tamuatá.

Ainda na caldeirada
o gostoso tambaqui,
a pescada no salpreso,
a joaninha, o jaraqui
só com farinha e pimenta
malagueta ou murupi

Pra comer frito, o mandií:
muito bom, melhor não há.
Surubim, caparari,
arari, xiripirá,
mandubé, matupiri,
dá gosto só de pensar

Na brasa, feito moquém,
matrinxã e apapá.
Pira pitinga, pacu,
aracu e jundiá,
aruanã (macaco-d’água),
cangati e mapará

Cuiú-cuiú no guisado
é um prato especial.
Melhor só pirarucu
que não conhece rival,
assado, frito, cozido,
é o peixe preferido,
fresco ou curtido no sal.

Feito de várias maneiras,
piramutaba, bacu,
pirarara, peixe-lenha,
braço-de-moça, jejú;
sarapó, só bem assado;
e se for bem preparado
há quem coma até muçu.

Dentre centenas de peixes
que a gente pode escolher,
pirabutão e pirinha
pegam tempero a valer.
Pacamão é esquisito,
mas no guisado ou no frito
é gostoso de comer.

Peixe-cachorro, traíra,
flecheira, curimatã…
A pupeca de sardinha
servida pela manhã
com café preto, pupunha,
macaxeira e tucumã.

Pirapucu, piraíba,
mojica de tambaqui,
escabeche de dourado,
pratos iguais nunca vi…
Por isso é bom ser caboco,
por isso eu gosto daqui.

 

*Amazonense do Alto Solimões, poeta, compositor e integrante do grupo musical Imbaúba.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui