Os 11 anos da Paróquia do Divino

2
1445

À noitinha do último domingo, 04 de janeiro deste novo ano de 2015, os comunitários do bairro da Colônia, em Itacoatiara, jubilosamente festejaram o 11º aniversário da Paróquia do Divino Espírito Santo, criada pelo atual dirigente da Prelazia de Itacoatiara, dom Carillo Gritti. Presente à comemoração, a sempre hospitaleira e feliz comunidade católica do bairro, expressou o seu contentamento entoando cânticos de amor e luz e demonstrando sua devoção e fidelidade ao Senhor Deus Todo Poderoso. Realmente uma bela festa, um gesto de confraternização revestida de emoção e muita alegria. Após a santa missa celebrada pelo bispo Carillo Gritti tendo por concelebrante o pároco padre Alejandro Gollaz Marez, as crianças presentes foram agraciadas com balas e porções de chocolates.

Encerrado o ato religioso, os comunitários foram transportados para a ala de comemorações ao lado da Paróquia, onde foi exibido um documentário sobre a bela trajetória da Igreja no bairro. Essa parte memorativa foi dirigida pelo jovem Rodrigo Luiz da Silva, atual presidente da Associação de Moradores da Colônia. Ainda falaram: o historiador Francisco Gomes da Silva, dona Lisette Bouez Abrahim e o vigário padre Alejandro Gollaz – todos expressando satisfação e dizendo de sua emoção em viver aquele momento simples, porém maravilhoso. Em seguida, sob os acordes da banda musical composta de jovens locais foi cantado “Parabéns a Você”, feito o corte de um saboroso bolo confeccionado especialmente para a ocasião e finalmente servido o jantar comemorativo.

Prazerosamente, ilustramos o acontecimento com as seguintes fotografias do evento:

foto1

 

Dom Carillo e Padre Alejandro abraçando as crianças no pós-missa

foto2

Francisco Gomes ladeado por sua esposa Fatima (esquerda) e Lisette Abrahim e Rodrigo Luiz (direita)

foto3

Frontispicio da Capela do Divino Espirito Santo, em Itacoatiara

foto4

A fala de Dona Lisette Abrahim – Coordenadora da Paróquia do Divino

foto5

Celebração da missa por Dom Carillo assistido pelo Padre Alejandro

foto6

Os fiéis assistindo à missa

foto7

A fala do Pároco Padre Alejandro

foto8

A fala de Francisco Gomes

A história da Paróquia do Divino Espírito Santo, além do sentido de adoração e reverência a Deus, aqui representado pela terceira pessoa da Santíssima Trindade, reflete quão forte é o sentimento de fraternidade que habita o coração do povo católico do belo e hospitaleiro bairro da Colônia.

Registre-se, por oportuno, que a Paróquia do Divino foi instituída no dia 04 de janeiro de 2004, sendo oficializada, às 18:00 horas do mesmo dia, em missa solene celebrada pelo bispo Carillo Gritti tendo como concelebrantes padre Miguel Benítez, padre Mário de La Torre e padre Graciomar. Na ocasião festejava-se na Liturgia a Solenidade da Epifania do Senhor. Para a efetividade da instituição da Paróquia, houve o apoio direto do Instituto dos Missionários de Nossa Senhora de Guadalupe, sediada no México, e há 26 anos presente em Itacoatiara.

Durante estes 11 anos de história, releva informar que já passaram pela Paróquia os seguintes missionários:

 

– Padre Mário de La Torre – 1º Pároco

Período: 2004 a 2006

– Padre Henrique Alvarez

Período: 2006 a 2007

– Padre Jorge González

Período: 2007 a 2013

– Padre Alejandro Gollaz Marez – atual Pároco

– Padre Manuel Islas – atual vice-Pároco

 

O Conselho Pastoral está assim formado:

 

– Padre Alejandro Gollaz Marez – Pároco

– Padre Manuel Islas – Vice-Pároco

– Lisette Bouez Abrahim – Coordenadora da Paróquia

– Rodrigo Luiz da Silva – Vice-coordenador

– Gleice Hazan – Primeira Secretária

– Nilda Abrahim – Segunda Secretária

– Lindinalva Cantuária de Oliveira – Tesoureira

– Maria do Carmo Nazaré e Arthur Líneker – Conselheiros

– Jorge Sá e Pedro Cabral – Coordenadores das comunidades do interior

foto9

Missa de inauguração da Paróquia – 4/01/2004

foto10

Comemorando a criação da Paróquia – 04/01/2004

Mas a história da Comunidade Católica do bairro da Colônia não nasceu em 04 de janeiro de 2014, com o edito firmado pelo bispo dom Carillo Gritti criando a entidade paroquial adjunta à administração da Prelazia. Ela possui antecedentes. Sua trajetória vem de longe. O historiador Francisco Gomes da Silva, filho natural do bairro, em seu livro “A Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Itacoatiara”, com 336 páginas, editado pela Imprensa Oficial do Estado do Amazonas, Manaus, 1999, e especialmente escrito para comemorar os 240 anos da antiga Paróquia e atual Prelazia de Itacoatiara, registra:

“Em 07 de novembro de 1949 ocorreu o lançamento da pedra fundamental da capela do Divino Espírito Santo, no bairro da Colônia. Contando inicialmente com o apoio financeiro da Prefeitura Municipal que, atendendo proposição do vereador Raimundo Martiniano de Araújo, liberou [em moeda vigente à época] cinco mil cruzeiros (Cr$ 5.000,00) para os serviços iniciais, após o que a obra foi tocada pela comunidade. Mas, a devoção ao Divino Espírito Santo, ainda em caráter particular, foi iniciada em 1938. Dado o interesse da população do bairro, de quem se tornou o santo padroeiro, de ano para ano a festa foi tomando maior repercussão. A partir da construção da capela, essas festividades religiosas passaram à exclusiva responsabilidade da Paróquia de Itacoatiara”.

Ao pé das páginas 181/182 do mesmo livro, consta a seguinte chamada: “Com uma única torre, a capela original parecia um presépio, e os que mais lutaram pela sua construção foram: Roldão Alves, Antônio Moura, Pedro Rattes Filho (o popular Doca Rattes), João Correia, Manoel Português, Corina Alves, Raimunda Medeiros, Áurea Medeiros, Augusto Hipólito, Roberto Costa, Antônio Malagueta, José de Paula, Francisco Gaveta e outros. Demolida esta capela em 1967, foi iniciada a construção da seguinte igreja, sob a coordenação do padre Douglas Mackinnon. Em 1975, por iniciativa da família do industrial [mais tarde prefeito municipal] Chibly Calil Abrahim (1914-1987), à comunidade foi doada a praça fronteira à capela e no ano seguinte foram levantados seus dois campanários (cf. Arquivo da Prelazia)”.

O registro dessa história igualmente se insere às páginas 254/255 do livro do mesmo escritor, intitulado “Cronografia de Itacoatiara”, 2º volume, editado em 1998.

Também noutro livro que atualmente finaliza e pretende lançá-lo brevemente, intitulado Homens, mulheres e coisas de Itacoatiara (uma enciclopédia municipal), o historiador Francisco Gomes da Silva ressalta:

Festa do Divino. A adoração ao padroeiro dos católicos do bairro da Colônia teve início na década de 1930, na residência de Rosa Reis Medeiros, apelidada de “Dona Nuchá”, à rua Moreira César. Até hoje essa festa popular é comemorada concomitantemente com a oficial da Igreja do Divino Espírito Santo, situada na esquina da rua Moreira César com a rua Álvaro França. Acreditando que uma de suas netas fora curada de grave doença em razão da promessa que fizera ao Divino Espírito Santo, “Dona Nuchá” comprometeu-se a servir um almoço anual aos inocentes do bairro no Dia de Pentecostes. Providente, tratou de estender o compromisso de paga da graça às suas irmãs Áurea e Raimunda Reis e, na hipótese de suas mortes, aos seus descendentes. A festa pegou e, ampliado o número de seus devotos, em pouco tempo tornou-se uma ação coletiva.  Na data aprazada, multidões para lá se dirigiam, para louvar o Divino, pagar suas promessas, renovar sua fé, reencontrar os amigos e festejar os momentos de comunhão com a comunidade. Dias antes, coletavam-se donativos para as despesas necessárias. Na véspera era realizada uma alvorada musical com a participação dos astros Roldão Alves, Doca Rattes, José do Icó, Martinho Alves, Agenor Alves, Luiz Pinga, Luiz Bacurau e Antônio Malagueta. A partir dos anos 1990, a responsabilidade de saudação musical da festa foi assumida pela nova geração de músicos constituída de Lázaro Costa, Valdir Menezes, Chiquinho, Mário Gama, Hugo Alves, Freitas, Luiz Costa, Pedro Caroço e outros. Na década de 1970 a festa popular passou a se realizar na residência das irmãs Maria e Izabel dos Reis, à rua General Carneiro, apoiadas por Sebastião Reis, dona Mundica, Elmar e Zilmar Costa, Tilinga e muitos outros dedicados companheiros. Na segunda metade de 1990, em razão do falecimento de Santinha e Sabá, os festejos foram assumidos por sua sobrinha, a professora Maria José Amazonas, na casa de seu filho, Antonio Amazonas, ainda na rua General Carneiro. Quando se aproximava a hora do almoço, dona Terezinha Costa, Maria José, Santinha e outros rezavam a ladainha. Em seguida, Oscar Martins convidava os músicos presentes para animar as devotas na hora da refeição dos inocentes. Da união dos seguintes músicos nasceu a Bandinha do Divino: ao saxofone Doca Rattes, Danúbio e Valdir Menezes; ao violão Luiz Pinga, Bacurau, Mário Grana e Lázaro Costa; no surdo Chico Bossa Nova; no pandeiro Edson Bocage; ao cavaquinho Chiquinho da Chiquita; na flauta Oscar Martins; e na bateria Graciano Cordovil.  Os principais mentores dessa tradicional festa não estão mais entre nós. Mas, os comunitários da Colônia dão prosseguimento à linda história datada de mais de 80 anos, e fortalecem um ato de fé, de união, de partilha e de compromisso com a memória coletiva, revigorando a chama de amor que devotam ao milagroso protetor do bairro da Colônia: o Divino Espírito Santo.

Finalmente, temos a satisfação de informar, fazendo justiça aos abnegados habitantes do bairro da Colônia, que a Paróquia do Divino Espírito Santo que tem à frente o simpático e operoso padre mexicano, natural de Guadalajara, Alejandro Gollaz Marez, vem atuando em parceria com a Associação de Moradores, presidida atualmente pelo jovem Rodrigo Luiz Pereira da Silva.

Fundada em 13/10/2005 tem sua Diretoria Executiva assim constituída:

– Presidente: o referido Rodrigo Luiz

– Vice-Presidente: Mery Francis

– 1ª Secretaria: Regina Araújo

– 2ª Secretaria: Rejanne Gomes

– 1º Tesoureiro: Maria do Rosário Silva

– 2º Tesoureiro: Wendson Silva

– Direção Administrativa: Carlos Rebouças

– Direção Judiciaria: Dr. Adamastor Figueiredo

– Direção de Comunicação: Darlucia Santos

– Diretor de Esporte: Hekney Rebouças

– Conselho Fiscal: Carlos Alberto de Moura, Nilton Araújo e Edson Leite

– Conselheiros: Lisette Abrahim, Getulio Borsa Lima e Maria José Amazonas.

Nessa união de propósitos, agindo em perfeita harmonia, Paróquia e Associação de Moradores, servem – e servem bem – a seus comunitários e paroquianos. Somam tarefas, perseguem objetivos comuns, apoiam-se mutuamente e, assim, integrando-se com o Povo de Deus.

Por sugestão do historiador Francisco Gomes, nos próximos meses os comunitários estarão empenhados na coleta de dados sobre as famílias que construíram (ou vêm construindo) o bairro da Colônia. Desse trabalho resultará uma brochura elucidativa dos pontos ainda obscuros de sua história.

Que esse exemplo perdure e motive os moradores dos demais bairros de Itacoatiara.

Compartilhar

2 COMENTÁRIOS

  1. Quero agradecer Dr. Francisco Gomes pela sua presença e de sua esposa dona Fátima, na festa de aniversário de 11 anos da Paróquia do Divino Espírito Santo no último dia 04 de janeiro, momento de muita emoção em que tivemos o privilégio de contar com sua ilustre presença nos brindando com a história da fundação de nossa comunidade, desde sua primeira capela e também fazendo memória dos comunitários de contribuíram para a construção desta bonita história de Fé e Evangelização…
    Em nome da Paróquia do Divino Espírito Santo, a qual sou vice-coordenador,em nome de nossa coordenadora dona Lisette Abrahim e de nossos padres Alejandro Gollaz e Manuel Islas, quero mais uma vez agradecer por sua colaboração e amizade para conosco.
    Viva o Divino Espírito Santo!!!

  2. Como é bom ter a oportunidade de acompanhar estas notícias de nossa cidade, sobretudo de nosso querido bairro da Colônia e grandiosa Igreja do Divino Espírito Santo. Para nós que não pudemos estar presente é sempre muito agradável acompanhar o acontecimento revendo pessoas queridas e Amadas.
    Parabéns a Comunidade! Parabéns ao bairro/moradores! Parabens a todos que ajudaram na realização da Festa! Parabens ao Amigo Francisco Gomes que por este blog nos dá o prazer em reviver estes momentos. Como Católico e devoto do Divino Espírito Santo, peço a ele que continue a nos abençoar as nossas Famílias e fortalecer a nossa Fé para que juntos possamos construir uma sociedade mais justa e solidária e com muito amor no coração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui