O Cordel na Amazônia

1
6583

Walmir de Albuquerque Barbosa*

Embora o elemento colonizador fosse o mesmo, a língua e os costumes iguais, a expressão literária, oral ou escrita, na Amazônia, é bem diversa da expressão literária do Nordeste. Acreditamos que tais diferenças podem ser creditadas às condições ambientais; às relações de produção; ao fechamento a outras culturas que não a portuguesa, à expressão numérica e qualitativa do colonizador luso; à mediterraneidade, ao lado da forte presença da cultura indígena, esta exclusivamente oral.

Continuador de uma tradição ibérica, a expressão poética que irá servir de matriz para a literatura de cordel não se impôs na Amazônia da mesma forma como no Nordeste. No que diz respeito à literatura popular em verso, os registros são poucos: trovas, “romanzas”, chulas, lundus, modinhas fazem parte do repertório de que se utilizam os locais. “A Lira das Selvas”, de Severino Bezerra de Albuquerque, livro muito difundido, espécie de cartilha manual dos “cantadores e declamadores habituais”, aparece na relação de livros existentes na Biblioteca Pública de Manaus no ano de 1887. (Monteiro, 1976, p. 34)

Considerando-se que somente nas últimas décadas do século XIX é que se consolida uma literatura popular no Brasil e que, neste exato momento, está ocorrendo a imigração nordestina para a Amazônia, achamos mais válido considerar que o cordel chega com o imigrante.

A produção e o consumo do cordel propriamente dito, na Amazônia, são fruto de um transplante cultural, operado pelos imigrantes nordestinos. São eles que vão constituir o grande mercado consumidor, disseminar o gosto entre os locais por essa nova literatura acessível ao povo. Papel muito importante exerceram os cantadores nordestinos que faziam excursões pelas capitais (Belém e Manaus) e pelas principais cidades do interior.

O desenvolvimento da urbanização trouxe os intermediários entre os cantadores e seus públicos. A penetração do cordel para o interior, no beiradão, fica a cargo do regatão e até mesmo dos agentes nos barracões dos seringais, que o acrescentaram como mais um item entre as mercadorias. O regatão, no entanto, era o maior agente, como o foi, desde antes, o disseminador das obras literárias, dos almanaques e demais publicações durante o ciclo do cacau. (Barbosa, 1980)

Passa a ser tão grande o interesse pelo cordel que o crescimento da vendagem e da produção é semelhante ao verificado, no mesmo período no Nordeste, guardadas as devidas proporções. A atividade editorial, localizada na própria região, vai ser o suporte necessário ao desenvolvimento da criação e difusão do cordel. Isso ocorre na segunda década do nosso século com o aparecimento de uma editora especializada em publicações ligadas à cultura popular.

*Walmir de Albuquerque Barbosa é doutor em Ciências da Comunicação, ex-reitor da UFAM (1997-2001) e professor da UEA. Nasceu em Itacoatiara em 1949.  Texto do livro  “O cordel na Amazônia”, de sua autoria, editado  pela UFAM, Manaus, 1996.

Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

1 COMENTÁRIO

  1. O trabalho do Prof. Dr. Walmir Albuquerque é uma via de mão dupla: enquanto sua pesquisa tem como pano de fundo a imigração para a Amazônia, enfocando a difusão do cordel, pelos trovadores nordestinos em nossa região, sua obra já vai subsidiar dissertações e teses em outras paragens. Por exemplo já observei seu trabalho ser citado em inúmeras publicações, inclusive na dissertação da minha professora Martha Rocha, de Recife, que concluiu seu Mestrado referenciando o referido pesquisador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui