Hormônios

0
615

O que mais assusta no momento é que os frequentadores de academias de ginástica têm sido orientados erroneamente a tomar hormônios.

Tem sido muito discutido na esfera, científica o uso de hormônios, principalmente os estrogênios, a testosterona e o hormônio do crescimento.
À medida que se envelhece os hormônios vão sendo produzidos, todos originários do colesterol, daí a importância desta gordura tão mal falada, que sem ela não teríamos o crescimento e a maturação sexual.

Mas após os 30 ou 35 anos quando a função principal do ser humano que é a perpetuação da espécie começa a se aproximar do seu limite, estes hormônios declinam, tantos os femininos quanto os masculinos. Se este declínio for muito acelerado teremos o que denominamos hipogonadismo.

Este hipogonadismo se caracteriza clinicamente nas mulheres com a perda do apetite sexual (frigidez), ganho de peso, insônia, falta de lubrificação vaginal, queda de cabelos, secura da pele, fogacho, queixas de dor à penetração (dispaurenia), choro imotivado e depressão. Nos homens, a libido também diminui, ocorre a perda de pelos no corpo, suores, atrofia dos testículos, há diminuição do volume da ejaculação e muitas das vezes disfunção erétil.

Neste momento os pacientes que procuram os médicos, estes na maioria das vezes prescrevem hormônios substitutivos daqueles que reduziram ou desapareceram da corrente sanguínea. Porém aí reside um grande risco, pois se não for prescrito em doses ideais, corre-se ao risco de muitas manifestações colaterais nefastas, incluindo o câncer de mama e de próstata.

O que mais assusta no momento é que os frequentadores de academias de ginástica têm sido orientados erroneamente a tomar hormônios (testosterona e hormônio do crescimento) com o objetivo de ganhar massa muscular e, sobretudo, por puro ercantilismo.

Tais hormônios estão sendo prescritos indevidamente por pessoas sem a qualificação profissional adequada, sem saber realmente os riscos que estará expondo os seus clientes. O resultado disso é que vem acontecendo uma série de acidentes vasculares nestes jovens e o aparecimento precocemente de vários tipos de câncer nesta população desavisada.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui