Estou assustado

0
1852

Quero alertar toda a população do Amazonas para um perigo de morte iminente. Ultimamente alguns vendedores e atravessadores de venda de Tucumã podem estar cometendo um crime contra a população desavisada ao retirarem os frutos da palmeira ainda verdes e, para maturação rápida, fazerem uso de carbureto de cálcio (CaC2) ou carbureto, usado como combustível nos candeeiros para iluminação das ruas e das residências durante muito tempo.

Tendo o carbureto em grau de toxidade de O a 4 um grau 3, logo pode provocar infecção tóxica intestinal com diarreia, desidratação, hemorragia gastro-intestinal, arritmia, edema cerebral e coma. Tal quadro é de difícil reversão por conta da insuficiência renal aguda, pois sem filtração glomerular ocorre a parada dos rins e o aumento da intoxicação.

Vejam bem: não é o fruto em si, mas o carbureto que pode ser o responsável por todos estes eventos que quase sempre levam as famílias ao luto!

Chamo aqui a atenção para que os responsáveis pela saúde pública, tanto do Estado como do Município, possam investigar tal prática, para que se tomem todas as providências necessárias para evitar possíveis mortes. Gostaria também que imprensa também tomasse providências no sentido de mostrar os riscos desta desastrosa prática de amadurecimento dos frutos do tucumã.

Por outro lado, as pesquisas mostram que o tucumã é um dos frutos prediletos do povo da floresta. É riquíssimo em pro-caroteno, antioxidante por excelência que evita a morte celular e mais, com ação comprovada como anticancerígeno. Portanto, não confundam esta possível intoxicação como sendo causada por esta fruta maravilhosa, mas somente pela forma equivocada de tentar o amadurecimento acelerado dá fruta ao se utilizar indevidamente o carbureto (substância sólida azulada escura que afunda na água, assim que o gás azulado inflamável é produzido) que pode provocar morte por intoxicação.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui