Esperanças novas para cuidar com sucesso de demência de Alzheimer

0
739

Cientistas americanos desenvolveram um chip eletromagnético capaz de fazer as vezes do neurotransmissor aceilcolina, evitando assim o desaparecimento da memória. Estas são as novas luzes no diagnóstico precoce e no tratamento específico desta doença que está apavorando o mundo moderno.

Esta é uma doença cerebral muito comum em pessoas de idade tardia, que nada mais é do que a perda gradual em longo prazo do contexto cognitivo dos seres que envelheceram e foram acometidos por um processo de deposição de Proteína B Amilóide, de permeio com os  neurônios, que são as células nervosas do cérebro, fazendo um enovelamento dos braços dos neurônios que são os “axônios“, responsáveis pelas transmissões de impulsos de mensagens, e as respectivas respostas a estas mensagens, usando um neurotransmissor importante que é a acetilcolina.

Ocorre que na ausência desta ação acabamos por perder a capacidade de guardar as informações e a memória desaparece, não sendo mais possível reconhecermos as pessoas mais próximas, nos tornando incapazes de nos orientar viso espacialmente, o que nos transforma num verdadeiro “zumbi” humano.

Recentemente o Center Vital Longevity da Universidade do Texas/Dallas/Estados Unidos, usando a tecnologia avançada de imagem com Tomografia Computatorizada auto definida, analisou  pessoas de 45 a 90 anos de idade e conseguiu identificar por refringência da proteína B amilóide, se esta existe em maior ou menor concentração nas células do cérebro, fazendo assim um diagnóstico muito precoce de possíveis casos futuros de Doenças de Alzheimer, possibilitando a prevenção e tratamento antecipado para evitar este mal do século XXI.

E mais, do ponto de vista do tratamento, o Instituto Buck na Califórnia está investindo na pesquisa utilizando “lombrigas”, que surpreendentemente têm um sistema nervoso parecido com os nossos neurônios, usando um corante amarelo denominado Tioflavina T (ThT), corando esta proteína B amilóide, responsável principal pelo desencadeamento desta doença, cujo corante tem o poder de destruir esta proteína assassina.

Por outro lado cientistas americanos desenvolveram um chip eletromagnético capaz de fazer as vezes do neurotransmissor aceilcolina, evitando assim o desaparecimento da memória. Estas são as novas luzes no diagnóstico precoce e no tratamento específico desta doença que está apavorando o mundo moderno.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui