Esclerose Lateral Amiotrófica

0
701

“O paciente de ELA necessita de cuidados de uma equipe supervisionada”.

Trata-se de uma doença degenerativa do Sistema Nervoso. A atrofia do neurônio motor superior no cérebro e do neurônio inferior número dois da medula leva a esta doença sem cura até agora, Também chamada de ELA, implica em perda da força muscular, com endurecimento e atrofia dos músculos, incialmente nos membros superiores e depois nos membros inferiores, deixando o paciente sem poder fazer suas atividades diárias, tais como fazer sua própria higiene, trocar suas vestes, ir ao banheiro sozinho, levar com suas próprias mãos os alimentos à boca, contudo mantém íntegra a memória, a lucidez, a capacidade de raciocínio e o humor. Porém com todos estes sintomas desastrosos é difícil não deprimir.

Como fazer o diagnóstico? É muito difícil, pois todos os exames de rotina e especializados, incluindo o de imagens, não permitem o diagnóstico no primeiro momento. Somente com a continuidade e o agravamento dos sintomas é que se chega finalmente diagnosticar que o paciente tem ELA. O fato é que não se sabe até os dias de hoje quem foi o responsável por manifestar esta doença terrível. No entanto, em uma ilha do Pacífico de nome Chamorro, descobriu-se um número desproporcional destes casos e os estudos verificaram que está população exagera na alimentação usando carboidratos ricos em glutamato.

Também quem utiliza bastante a sua musculatura, ‘como os atletas, estão incluídos no grupo de risco, mas a prevalência desta doença fica em torno de um paciente por cada cem mil habitantes.

Portanto, o paciente acometido por ELA é um paciente que necessita de cuidados de uma equipe supervisionada por um médico, composta de fonoaudiólogo, fisioterapeuta, nutricionista e um cuidador. Ultimamente está sendo realizada uma pesquisa científica usando célula tronco autógena na tentativa de paralisar a esclerose e de recuperar de alguma forma os movimentos. Contudo, está ainda muito no início desta terapêutica, sem previsão de como irá evoluir para cura, Esperamos que a ciência nos ajude o quanto antes, pois a evolução desta doença é muito dolorosa para os pacientes e seus familiares.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui