Entre nós (3)

0
767

Era do conhecimento de todos ao longo de milhares de anos que dependeríamos a maior parte de nossa vida dos nossos genes, que estes não seriam jamais modificados por fatores do meio ambiente. Contudo, estudos recentes chamados de EPIGENÉTICA, demonstraram cientificamente que muitos fatores ambientais são capazes de promover melhorias ampliando a própria vida, e por outro lado, de forma negativa acelerar o processo de apoptose, que é a chamada morte celular espontânea.

E que fatores ambientais seriam estes e como agiriam na realidade? São todos ligados a exercícios perfeitos, caminhadas com velocidade adequada, musculação com cargas proporcionais aos músculos de cada um, o sono adequado e reparador proporcional a cada idade, a fuga deliberada de fatores de estresse psicoemocionais e, sobretudo, a dieta, pois os alimentos perfeitos existem! Contudo, temos que escolhê-los adequadamente e consumi-los parcimoniosamente. Mas quais alimentos? Carne branca de preferência, pescado, frutas, verduras, azeite de oliva cru, vinho, água em abundância, derivados do leite sem gorduras, chá verde, soja, derivados da mandioca e sucos naturais. Não fumar e não exagerar no consumo de bebidas alcoólicas, evitar embutidos e comidas em conservas, fugir do sal e do açúcar.

E como agem realmente estes componentes? Usam a metila que existe principalmente nos alimentos escuros (couve, brócolis, cheiro verde, coentro) desligando cromossomas do mal, que podem gerar células de câncer. Logo, adiando a morte celular e preservando a vida. A descoberta da Pelomerase que é a enzima capaz de diminuir o processo de encurtamento dos telômeros que são braços do DNA, que a cada vez que a célula se replica eles se encurtam até provocar exaustão desta capacidade reprodutiva celular, e morte consequente das células. Através da EPIGENÉTICA cientistas buscam estudar a possibilidade de utilização racional desta enzima para bloquear alterações dentro dos cromossomos, fazendo com que prolongue cada vez mais a vida das células. Sendo assim viveremos cada vez mais sem perda acelerada das funções.

O futuro será com certeza da EPIGENÉTICA e da prevenção. E aí daremos adeus às drogas e medicamentos. Viveremos para sempre com jovialidade e muita alegria. No entanto, quero alertar que as catecolaminas que são liberadas quando nos estressamos podem ao contrário produzir efeito negativo nas células, acelerando os genes nocivos que só fazem acelerar a morte.

Recomendação: siga a vida com alegria, sem zanga, sem inveja e, sobretudo, praticando o perdão com amor!

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui