Adipócitos gordos e magros

0
71

*Drauzio Varella

O acúmulo de gordura na cintura é o mais perigoso: eleva o risco de doenças cardiovasculares e diabetes.

O número de células do tecido adiposo aumenta gradativamente durante a infância e adolescência, para se tornar estável na vida adulta. Nesta fase, morrem anualmente cerca de 10% dos adipócitos, mortes compensadas pela formação de células novas.

A perda ou o ganho de peso estão relacionados menos com o número e mais diretamente com o tamanho dos adipócitos que armazenarão quantidades menores ou maiores de gordura, respectivamente.

Mesmo nos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, que chegam a emagrecer 40 kg ou mais, o número de adipócitos tende a permanecer constante.

Nesses casos, a redução de peso é explicada pelas diminuições do tamanho celular e do conteúdo de gordura em seu interior.

Por razões óbvias, a lipossucção reduz o número de adipócitos. Os estudos, no entanto, mostram que depois de um ano o peso perdido é recuperado. Não está claro se o ganho se deve à produção de novos adipócitos ou ao aumento de volume dos que sobraram.

Pessoas obesas e as que engordam rapidamente formam mais adipócitos. O fenômeno oposto não ocorre, no entanto: no emagrecimento, as células que armazenam gordura não morrem, apenas diminuem de tamanho, característica que explica a facilidade para recuperar os quilos perdidos.

Como os adipócitos secretam proteínas e hormônios que interferem com o gasto energético do organismo, é provável que a redução de seu tamanho provoque a liberação de mediadores capazes de aumentar o apetite e facilitar a lipogênese –a síntese de ácidos graxos e triglicérides que serão armazenados no fígado e no tecido adiposo.

A gordura não se acha distribuída pelo corpo de maneira uniforme.

Nos adultos, tende a acumular-se na região da bacia e das coxas, dando à silhueta a forma de pera (mais frequente nas mulheres) ou ao redor da cintura (forma de maçã, mais comum nos homens).

O acúmulo mais perigoso é o que se forma na cintura, porque está associado também a depósitos localizados entre as vísceras (fígado, pâncreas e rins, principalmente), condição que eleva o risco de doenças cardiovasculares, diabetes, refluxo gastresofágico e apneia do sono, entre outras patologias.

Geralmente ligado à idade, esse acúmulo excessivo ocorre por fatores genéticos, pela perda da capacidade de formar adipócitos saudáveis nos depósitos subcutâneos de gordura ou pela dificuldade de orientar a deposição de tecido gorduroso de forma homogênea, quando o ganho rápido de peso sobrecarrega o sistema.

A medida do diâmetro da cintura é o parâmetro empregado na clínica para estimar os riscos associados à gordura visceral. A maioria dos autores estima que a cintura dos homens não deve ultrapassar 94 centímetros, e que a das mulheres deve ficar abaixo de 80 centímetros.

O risco cardiovascular fica especialmente elevado em mulheres com circunferências acima de 88 cm, e em homens acima de 102 cm.

Estudo recente revelou que a exérese cirúrgica da gordura visceral não melhora as condições metabólicas do indivíduo, objetivo só alcançado através da dieta e da atividade física.

Os exercícios exercem seu efeito benéfico, ao aumentar a capacidade do tecido adiposo em queimar calorias. Pelo menos em parte, essa função é mediada por um hormônio descoberto em 2012, a irisina, presente em sedentários, mas em concentrações bem mais altas naqueles que se exercitam.

Estudos mostram que a irisina, produzida durante as contrações musculares, cai na circulação sanguínea e se distribui pelos diversos tecidos, entre os quais o adiposo.

Nele, inicia uma série de processos bioquímicos que transformam gordura branca em gordura de cor marrom, metabolicamente mais ativa, capaz de aumentar o gasto energético.

A cor marrom se deve à presença no interior de suas células de grande número de mitocôndrias, as organelas intracelulares responsáveis pela produção de energia.

Encontrada em maiores quantidades na infância, a produção de gordura marrom decresce com a idade; sobra pouco dela na vida adulta, localizada na parte superior do tronco e no pescoço.

Portanto, leitor, se você deseja perder peso, não há alternativa: aumente a atividade física e pare de comer tudo o que lhe oferecem.

*Médico e escritor. Colunista da Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada C8 de 30/09/2017.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui