Duas Poesias

1
3008
*João Bosco Seabra da Silva

 

Acróstico Itacoatiara

I nocentemente desperdiçaste o

T empo tão curto que o

A manhã cobrará depois

C omo brisa a passar efêmero

O teu sorriso se entreabriu

A bandonando toda modéstia

T odo recato e sensatez

I maculada tu retornaste

A parecendo mais de uma vez

R asgando os laços que mesma uniste

A contecias sempre depois

 

Elegia pelo aniversário de Manaus

Manaus –

Onde encontrar o riso aberto e franco,

Onde encontrar canto doce e morno?

Onde encontrar dengues loucos, requebros soltos,

passos miúdos onde encontrar?

Onde encontrar o traço simples, o gesto meigo e brejeiro

que quer brincar?

Onde encontrar a graça, o riso maroto?

Onde encontrar o esboço da felicidade

estampada no rosto da sinceridade?

Onde encontrar o porto que já deu látex,

Onde encontrar o rosto, as duas faces,

que viram o mar-morto, que viram o mar-dulce?

Onde encontrar a flora, que aflora mil risos e

abunda mil rios de felicidade?

Onde encontrar os rios que deságuam encantros deste nosso país?

Onde pôr a gota, onde pôr a lágrima.

Onde pôr o riso sem mágoa… neste porto LIVRE… Manaus!

*Poeta, filho de Itacoatiara. Formado em letras pela UNINORTE, estudou no Seminário de Belém. Primo do jornalista J. R. López.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

1 COMENTÁRIO

  1. Professor Francisco, gostei muito destas palavras que estão inseridas em seu texto “Onde encontrar a graça, o riso maroto?
    Onde encontrar o esboço da felicidade
    estampada no rosto da sinceridade?
    Onde encontrar o porto que já deu látex,
    Onde encontrar o rosto, as duas faces”,
    Certamente é notável a ação de graça na educação, na infância e juventude, onde ainda é possível obter bons frutos quando se centra tudo ao redor de um só objetivo, tenho certeza que muitos pais desejariam ter escolas, em terras férteis e bem seguras, que não dessem nenhum motivo para abalar suas estruturas, que fosse firme como a rocha, bem aparelhada com madeiras de lei e que nem o mas forte temporal venha ergue-la, esta sim daria um bom fruto e esses frutos se espalhariam pelo mundo inteiro, nela com certeza encontraria “o esboço da felicidade” e todas as pessoas iam vê-la “estampada no rosto da sinceridade” só assim uma das “faces” seria desvendada, então as luzes brilhara com mais intensidade iluminando mais a mente de escritores como Francisco Gomes da Silva. Um sorriso inocente não faz mal a ninguém. Porem depois tudo fica esquisito quando só eu vejo, pois é para todos vê-lo. A gente tem que se encontrar num curto espaço de tempo, pois o dia passa e o desperdício é evidente, embora haja uma esperança de dias melhores, não devemos ter medo do novo pois muitas vezes isso pode te assustar. Se descobrir que é uma farsa devemos mudar tudo inclusive os nossos hábitos. O processo evolutivo é uma metamorfose gigantesca não devemos ter medo é uma fase de adaptação até poder cair em si de verdade e entender de uma forma bem mais simples e depois gozar só daquilo que convém.
    Valeu Francisco Gomes da Silvas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui