A sexta extinção

0
610
*Editorial da Folha de São Paulo, Caderno Opinião A2, de 03/01/2015.

Animal símbolo da Amazônia, o boto-cor-de-rosa, ou boto-vermelho, desde o ano 2000 tem sido caçado de forma implacável. Sua carne serve de isca na pesca da piracatinga, peixe comercializado em larga escala nos supermercados sob o nome de douradinha.

Pesquisadores e ambientalistas assustaram-se com a queda acentuada da quantidade de botos. Embora não existam números globais precisos, ao menos na reserva Mamirauá (AM), no rio Solimões, dados sugerem uma tragédia de proporções bíblicas: diminuição de 10% ao ano da população local, segundo o Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia).

Pressionado, o governo federal decretou moratória de cinco anos na captura da piracatinga, a fim de afastar o maior golfinho de água doce do planeta da crescente lista de animais extintos pelas mãos do homem. A medida entrou em vigor no dia 1º de janeiro.

Lamentavelmente, o boto-cor-de-rosa está longe de ser o único animal ameaçado. Um estudo publicado recentemente no periódico “Science” mostra que as espécies têm desaparecido do planeta a uma taxa mil vezes maior do que a natural. Eis a catástrofe: de um terço a metade delas corre o risco de não mais existir até 2100.

No Brasil, são 1.501 populações ameaçadas, incluindo a de botos-cor-de-rosa, de acordo com levantamento divulgado em maio pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Outros 11 animais já foram declarados extintos –caso da ararinha-azul, que hoje só vive em cativeiro.

O ritmo de aniquilação se acelerou tanto que alguns cientistas veem o planeta atravessando a sexta extinção, comparável ao desaparecimento dos dinossauros ou a outros cataclismos pré-históricos.

Dado inédito, o processo, desta vez, não se deve a causas naturais. Da destruição do habitat à introdução de exemplares não nativos num determinado ecossistema, passando pela caça e pelas mudanças climáticas, o homem é o maior responsável pelo perecimento recente de centenas de espécies.

Para vários animais, como o boto-cor-de-rosa, ainda há tempo. A moratória contra a pesca da piracatinga torna a fiscalização mais fácil, pois se concentrará principalmente nas poucas e grandes empresas que compram o peixe.

É fundamental, no entanto, que os órgãos responsáveis atuem de fato. Do contrário, a nova medida será tão inócua quanto a lei federal de 1987 que proíbe a caça de baleias e golfinhos no país.

Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui